Conteúdo estrangeiro

O presidente da Federação das Indústrias gaúchas (Fiergs), Heitor José Müller, destacou que o olhar do Governo Federal para a atração de investimentos externos pode ser mais amplo do que especificamente possibilitar mais contratações estrangeiras nas compras da Petrobras. “É preciso também estimular que a indústria nacional cresça a partir de suas capacitações e qualificações próprias”, disse, em evento esta semana em que choveram críticas às mudanças nas regras de conteúdo local. O presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, afirmou que “o conteúdo local não é responsável pelo aumento de custo”. Segundo ele, um exemplo, foi o que ocorreu em 2007, quando a Petrobras comprou 40 sondas. “Naquela ocasião, 12 delas eram importadas e elas chegaram atrasadas, gerando problemas nas operações. Ou seja, a indústria nacional pode, e deve, ser competitiva. É preciso estímulo”, avaliou.

No Rio Grande do Sul, em Rio Grande, vive-se um dos piores cenários de retrocesso do setor com o fechamento de estaleiros e o desaparecimento de empregos criados após a determinação do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva de priorizar as encomendas no país. O prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer (PT), aguarda que algo possa ser feito para que os empreendimentos que fecharam em 2016 voltem a gerar empregos na região. As informações de diversas entidades representantes da indústria nacional dão conta de que a cadeia fornecedora de petróleo e gás investiu mais de US$ 60 bilhões na implementação e ampliação da capacidade de produção para atender o setor em todo o país. Somente no Rio Grande do Sul, são mais de 300 empresas capacitadas para compor a cadeia, desde sistemas de automação industrial, até equipamentos de segurança, máquinas, peças, entre outras.

Um dos representantes do governo, o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Igor Calvet, foi econômico nos comentários: “Infelizmente, é preciso passar esse período de esforço para voltar a crescer. O Mdic está de acordo que o país será forte quando a indústria se fortalecer também.”

Habite-se

A 13ª Turma do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concedeu mandado de segurança preventivo ao Sindicato da Indústria da Construção Civil (SindusCon-SP) autorizando as empresas associadas a receberem, da Prefeitura Municipal de São Paulo, o Certificado de Conclusão da Obra (Habite-se) sem a comprovação prévia da quitação do Imposto sobre Serviços (ISS).

Ainda que as empresas associadas sejam devedoras do ISS, o condicionamento para a expedição do Habite-se não representa somente ilegal e abusivo exercício de autotutela direcionada ao recebimento dos tributos. Mais do que isso, representa inquestionável afronta ao livre exercício da atividade econômica de que trata o artigo 170, parágrafo único, da Constituição Federal”, afirma a sentença.

Rápidas

Das 28 mil empresas contábeis registradas na Junta Comercial de São Paulo, cerca de 11 mil não têm registro ativo no Conselho Regional de Contabilidade *** A Campanha Salarial 2017 dos profissionais de tecnologia da informação do estado de São Paulo chegou ao fim. Proposta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) fixou o reajuste em 6,29% (IPCA), acrescido de um abono de 10% a ser pago em agosto, o que representa um ganho total de 7,05% *** A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) realiza em Brasília, de 28 a 30 de março, o 1º Encontro Nacional dos Profissionais de Segurança Pública. Será no Hotel Grand Bittar – Setor Hoteleiro Sul (SHS), Quadra 5, Bloco A *** Dia 29 de março, fechando o mês da mulher, o Sebrae realizará a palestra “A Mulher e a Autoestima”, no Shopping Jardim Guadalupe (RJ), a partir de 19h *** Também para celebrar o mês da mulher, o Instituto Masan, em parceria com o MetrôRio e o Instituto Invepar, realiza a exposição Mulheres da Central. A mostra continua em abril, nas estações do MetrôRio na Central do Brasil, Coelho Neto e São Conrado. A exposição reúne histórias e imagens reais de mulheres que foram vítimas de violência doméstica e preconceito *** O executivo Marco Silva foi nomeado presidente da Nissan do Brasil, substituindo François Dossa a partir de 1º de abril *** O Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getulio Vargas (Cpdoc/FGV) debate “Depois dos megaeventos esportivos: um balanço das pesquisas sobre esporte no Brasil”, com o sociólogo Fernando Trejo, da Universidade Federal de Goiás. Dia 30, a partir de 14h, na FGV (Praia de Botafogo, 190 – Auditório 1027, Rio) *** Mauro Wainstock, do jornal Alef News, dirigido à comunidade judaica, fechou parceria com o Honest Reporting, site com sede em Jerusalém que cobre a mídia (inclusive a brasileira) no que se refere a Israel. Mauro começou a carreira na Redação do MONITOR MERCANTIL.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.