30.4 C
Rio de Janeiro
quinta-feira, janeiro 21, 2021

Contra-informação

Um banco com sotaque que tomou forte tombo num país vizinho está espalhando no mercado o boato de que está de olho num dos seis principais bancos instalados no Brasil. Algo como o Davi correndo atrás do Golias.

Oráculos x investigadores
Para além de implicações como qualificação profissional e patamar salarial, o debate sobre a necessidade do diploma para exercer o ofício de jornalista se articula a questão ainda mais decisiva: a concepção que deve fundar essa profissão. Os defensores da tese de que qualquer um pode ser jornalista apregoam as vantagens de abrir as porteiras das redações a especialistas de áreas variadas, cuja atuação como colaboradores já é contemplada por lei.
O argumento deixa implícito que, para essa linha de pensamento, a categoria é, basicamente, um reprodutor de discursos e esse é o aspecto a ser enfatizado com a abertura “aos novos jornalistas”. No entanto, como profissional inserido num dado contexto social, o jornalista tem, ou ao menos deveria ter, como principal função ser um decodificador de discursos específicos para públicos mais amplos.
Nessa operação, mais importante do que dominar técnicas específicas – sem dúvida, um diferencial – é manter o espírito crítico, para desnudar os diversos interesses em jogo e expô-los ao público. Em outras palavras, longe de ser um ser que consulta oráculos, o jornalista deve ser um profissional que traduz, sem rodeios e firulas, os discursos dos diversos candidatos a detentores do monopólio do saber, independentemente da embalagem exibida.

Paternidade
O governador Anthony Garotinho anuncia que entrega no próximo dia 8 o Hospital Geral de São Gonçalo. Em letras miúdas, afirma que a obra foi iniciada no governo anterior (Marcello Alencar) e inaugurada inacabada, apenas com o setor de emergência funcionando. Não é bem assim. Efetivamente, Alencar inaugurou o hospital às pressas e sem todos os equipamentos, mas o que funcionava era o ambulatório (atendimentos com hora marcada). Uma das partes inacabadas era justamente a emergência. Situado num caminho que liga o nada a lugar nenhum, longe de concentrações populacionais, mas com belas instalações, o hospital precisa que seja melhorado o acesso através de transporte coletivo. Atualmente, só é viável ir lá de van ou carro.

Efeito Enron
O anúncio, ontem, de uma joint venture entre Mitsubishi Electric e Toshiba na área de transmissão e distribuição de energia mostra que a dura realidade do setor não se restringe aos Estados Unidos, berço da concordatária Enron. No Japão, a redução no investimento em empresas de energia erodiu o mercado. Em outros países, a demanda permanece estável, porém a concorrência é feroz. A joint-venture será constituída em abril e começará a operar em 1º de outubro. Unirá as funções de vendas, engenharia, desenvolvimento e manufatura. A escala e o volume de negócios da operação será equivalente à das três maiores empresas do mundo no ramo.

Si no é vero…
A história a seguir pode não ser de todo verídica, mas vem circulando na Internet, fazendo sucesso entre analistas de sistemas, consultores e administradores de empresa, como exemplo da diferença entre “foco no problema” e “foco na solução”. Quando a Nasa iniciou o programa de lançamento espaciais tripulados, descobriram que as canetas não funcionariam com gravidade zero. Para resolver esse problema, contrataram uma empresa de consultoria, ainda ativa e das maiores do mercado. Empregaram uma década e US$ 12 milhões; conseguiram desenvolver uma caneta que escrevesse com gravidade zero, de ponta cabeça, debaixo d”água, em praticamente qualquer superfície incluindo cristal e em variações de temperatura desde abaixo de 0° até mais de 300° Celsius. Os russos utilizaram um lápis.

Software oficial
Como se precisasse, a Microsoft está recebendo uma mãozinha oficial para alavancar suas vendas no Brasil. A Imprensa Nacional, órgão vinculado à Casa Civil da Presidência da República, exige de quem publicar anúncios (atas, editais etc.) no Diário Oficial da União a compra dos programas Windows e Word, ambos da Microsoft. Tudo bem que o Windows é quase um padrão de fato, embora a exigência exclua usuários do Mac e do Linux. Que o órgão utilize o MS Word, após realizar concorrência para isso, é aceitável, embora haja opções mais baratas – e até gratuitas – e tão boas quanto o software da gigante norte-americana. Querer obrigar os cidadãos brasileiros a fazer o mesmo parece abusivo – para não dizer ilegal. Com a palavra, os juristas.

Artigo anteriorDesemprego
Próximo artigoBenefício
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.