Contribuições em previdência privada superam R$ 47,3 bi em setembro

58

De acordo com o último levantamento realizado pela Federação Nacional de Previdência Privada e Vida Fenaprevi) junto às associadas, as contribuições em planos de previdência privada aberta no país ao longo do terceiro trimestre de 2023 somaram R$ 47,3 bilhões, aumento de 11,9% sobre igual período no ano passado. Também neste intervalo os resgates totalizaram R$ 30,1 bilhões, revelando queda de 1,2%. Com isso a captação líquida (contribuições menos os resgates) cresceu 45,4%, encerrando o trimestre em R$ 17,2 bilhões.

No acumulado entre janeiro e setembro de 2023, a arrecadação dos planos de previdência privada aberta totalizou R$ 124,7 bilhões, enquanto R$ 96 bilhões foram resgatados desses mesmos planos, resultando na captação líquida de R$ 28,6 bilhões. Os valores indicam a resiliência dos participantes em construir uma poupança previdenciária. Atualmente, os ativos do segmento superam os R$ 1,3 trilhão, um crescimento de 12,6% em um ano. VGBL corresponde a 92% das contribuições.

O levantamento também detalha a arrecadação de acordo com o tipo de contratação do plano de previdência. Cerca de 92% foram em planos VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre, o equivalente a R$ 114,2 bilhões. Outros 7% no PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre – que somaram R$ 8,2 bilhões e, por fim, R$ 2,3 bilhões em planos Tradicionais, sendo, aproximadamente, 1% do total.Ao final de setembro havia 13,9 milhões de planos de previdência privada aberta no país, sendo 62% deles VGBL, 22% PGBL e 16% Tradicionais.

Ao todo, são 11 milhões de detentores de planos de previdência privada aberta, 225 mil pessoas a mais do que em setembro do ano passado. Desse total, a maioria, 8,8 milhões, são de planos individuais, o que mostra o potencial de crescimento da previdência privada aberta no mercado de trabalho.

Espaço Publicitáriocnseg

Brasileiro mais preocupado

Uma pesquisa da Fenaprevi, encomendada ao Instituto DataFolha, entrevistou mais de duas mil pessoas, de Norte a Sul do País. Intitulada “A Percepção dos Brasileiros sobre os Seguros Pessoais e Planos de Previdência”, ela identificou os principais pontos de atenção dos brasileiros hoje quando o assunto é aposentadoria, planejamento financeiro, seguros e previdência privada.
 A pesquisa revelou, por exemplo, que 82% dos entrevistados pretendem planejar suas finanças, sendo que 58% pensam nisso sempre ou frequentemente e têm objetivos para os próximos 12 meses. Já 4% dos brasileiros não gostam ou não conseguem se planejar, pois vivem apenas o presente; 3% alegam falta de informação e de conhecimento para montar um planejamento; e outros 3% afirmaram que “o futuro a Deus pertence”.

Entre os entrevistados, quatro em cada 10 (41%) dizem que tiveram sua vida afetada financeiramente pela pandemia da covid-19. Dentre as principais formas de diminuir os efeitos dessa situação estão poupar/ investir (38%) e fazer seguro/ previdência (11%).
Também com o episódio (a pandemia) subiu para 28% o número de brasileiros que se preocupam em guardar dinheiro, sendo que há dois anos (na primeira edição da pesquisa, em 2021) eram apenas 23%.

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui