Controles

De acordo com o site Wikileaks, Cuba denunciou que o Facebook censurou uma página que pedia ao YouTube – controlado pelo Google – a restituição do canal de vídeos do site estatal Cubadebate.cu, fechado por denúncia de violação de direitos autorais: “O Google censura, o Facebook também. Hoje amanhecemos com uma nova agressão”, afirma o portal cubano, ao informar que, sexta-feira, a rede social retirou do ar uma página que contava com cerca de mil seguidores.
A página fora criada depois de o Cubadebate denunciar que o YouTube fechara sua conta, alegando “infração de copyright” em um vídeo sobre o ex-agente cubano da CIA Luis Posada Carriles, que é julgado esta semana nos Estados Unidos por fraude migratória.

Expansão
A Rede Chinesa de Difusão Internacional (China International Broadcasting Network) foi inaugurada terça-feira em Beijing. A nova rede, criada pela Rádio Internacional da China (CRI), marca a plena entrada da CRI, com quase 70 anos de história, no setor de novas mídias. A CIBN vai fazer transmissões multilíngues – inclusive português – ao mundo utilizando internet e telecomunicação móvel.

Proteção
Nos “jornalões” do Rio, continua a blindagem nível 6 do Governo Sérgio Cabral. Desta vez, no caso do desastre na Região Serrana. Se no ano passado os prefeitos de Angra dos Reis e Niterói foram execrados pela mídia e praticamente saíram da vida pública, por nada terem feito após supostamente terem sido alertados de problemas em áreas de risco, este ano não é igual àquele que passou, pelo menos não quando envolve Sérgio Cabral. A imprensa paulista publicou que o governo fluminense fora previamente alertado sobre risco de desastre na Região Serrana através de estudo da UFRJ concluído desde 2008, e pago pelo próprio governo, mas o secretário estadual de Meio Ambiente teria priorizado outras áreas. A mídia carioca relega o assunto a notas marginais.

Cara de paisagem
Imaginem que o PT conquistasse nas urnas a maioria absoluta na Câmara dos Deputados e decidisse revogar a lei das privatizações do tucanato. Imaginem a gritaria dos colunistas da mídia tradicional. Pois nos Estados Unidos, não é preciso imaginar. É o que a maioria republicana recém-conquistada fez com a lei que reformou – timidamente – o acesso à saúde na maior potência do mundo. Como está mexendo com direitos de pobres, não se ouve uma voz na imprensa tupiniquim questionando a quebra dos contratos.

Natural
A Via Verde Produtos Naturais inaugura mais uma unidade, desta vez no Recreio Shopping, Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro. A rede, que aumentou em 60% o número de franquias em 2010, planeja um crescimento de 20% no faturamento em 2011 e espera dobrar a quantidade de lojas em todo o Brasil. A empresa aposta na inovação para se manter em expansão. Entre as novidades, alimentos para diabéticos e uma seção especial para pessoas com intolerância a glúten.

Caos amapaense
Nomeado gestor do Gabinete de Gerenciamento da Crise, o secretario de Planejamento do Amapá, Juliano Del Castilo, informa que a dívida do estado gira em torno de R$ 1,7 bilhão, equivalente a 100% da receita corrente líquida do Orçamento para 2011:  “A crise é muito grave e exige medidas duras, mas necessárias para manter a governabilidade e iniciar a reconstrução do estado”, afirma Del Castilo.
O arsenal de medidas inclui contenção de gastos correntes, suspensão de quitações de restos a pagar, auditoria da dívida e extinção de órgãos. Além disso, a Procuradoria estadual entrará com ações de improbidade administrativa e apropriação indébita contra os dois últimos governadores do Amapá, Waldez Goes e Pedro Paulo Dias, presos, no fim de 2010, pela Polícia Federal na operação Mãos Limpas. Ambos são apontados pelo secretário como responsáveis pela caótica situação financeira das finanças estaduais.

Inócua
A exemplo do que acontece em outras unidades da federação, estaduais e municipais, em situações similares, o caso do Amapá não é enquadrável pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LFR). Já que a LFR serve apenas para estrangular as contas de União, estados e prefeituras, para garantir a transferência de recursos para arcar com o pagamento de dívidas, os legisladores deveriam, no mínimo, remover do nome a referência moralista com que a nomearam seus autores.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCulpados
Próximo artigoCartão de visitas

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Seven Tech: Mais de 2,5 milhões de cartões de crédito até 2023

Com operações em seis países e presença em três continentes (Europa, África e América Latina), o Seven Tech Group, que nasceu como Software house...

Indústria de fundos está pronta para investimentos sustentáveis

É hora de a própria indústria de fundos, por meio de iniciativas de autorregulação, preencher o gap regulatório que ainda existe em torno dos...

Índice da B3: Empresas com melhores práticas no mercado de trabalho

A B3, bolsa do Brasil, e a consultoria global, Great Place to Work, anunciaram nesta terça-feira a criação de um novo índice com foco...

Comissão debate venda da Oi Móvel para outras operadoras

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta quinta-feira (21) para tratar da venda da Oi Móvel...

CVM: Acordo de R$ 300 mil após autodenúncia de infração

O Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) analisou, em reunião nesta terça-feira, propostas de Termo de Compromisso dos seguintes Processos Administrativos (PA)...