Conversa com Investidor: Intelbras (INTB3)

Por João Daronco, analista (CNPI) da Suno Research.

A Intelbras concluiu seu IPO em fevereiro deste ano levantando R$ 724,5 milhões na oferta primária e R$ 579,6 milhões na oferta secundária. A companhia catarinense oferece soluções em segurança, redes, comunicação e energia.

Em conformidade com os resultados do segundo trimestre divulgados pela Intelbras, a receita operacional líquida foi de R$ 724,9 milhões no trimestre, representando um crescimento de 109% em relação ao mesmo período do ano anterior e 4,1% em relação ao trimestre anterior. O Ebitda apresentou um crescimento de 31,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo o valor de R$ 95,9 milhões, e uma queda de 6,3% em relação ao trimestre anterior.

O ROIC (pre-tax) relativo aos últimos 12 meses, apurado no segundo trimestre de 2021, foi de 33,3%, ficando 0,1 ponto percentual acima do realizado no mesmo período do ano anterior. O lucro líquido no trimestre foi de R$ 85,2 milhões, representando um crescimento de 67,2% com relação ao mesmo período do ano anterior e uma redução de 4,9% com relação ao realizado no trimestre anterior.

Neste Conversa com Investidor, Bruno Teixeira, gerente de RI da Intelbras, conversou com João Daronco, analista (CNPI) da Suno Research. Os resultados do terceiro trimestre da companhia serão divulgados no dia 27 de outubro.

 

Como a companhia está sendo impactada pelo aumento do preço do dólar?

A Intelbras é uma empresa nacional com mais de 45 anos de história, e ao longo dessas décadas nos adequamos aos diferentes cenários econômicos e sociais. Fazemos parte de uma indústria que é muito referenciada pelo câmbio. Nosso país produz poucos componentes eletrônicos e a indústria nacional trabalha com importação desses insumos-chave para o negócio. Desta forma, o mercado entende que variações no câmbio geram impacto em custos e, por consequência, refletem o preço na ponta. Possuímos a capacidade de repassar preços, de forma a preservar nossos resultados, e o fazemos sempre com o compromisso de manter a competitividade de nossa linha e o relacionamento com nossos parceiros e consumidores.

 

Como está se dando a demanda pelos produtos da Intelbras?

Todas as unidades de negócio da Intelbras estão crescendo conforme o plano, e a demanda por nossas linhas de produtos tem se mantido aquecida. Temos um amplo portfólio de produtos, associado à nossa fortaleza comercial junto aos parceiros distribuidores e revendedores, que nos permite manter nosso nível de crescimento e de penetração de mercado mesmo durante períodos de maior instabilidade em nossa economia.

Com a pandemia, as soluções Intelbras de segurança, comunicação e energia se tornaram fundamentais para viabilizar o monitoramento e funcionamento de hospitais, farmácias, bancos, órgãos públicos e setores essenciais. Além disso, oferecemos equipamentos de infraestrutura para viabilizar as atividades em home office e outros serviços fundamentais para toda a sociedade brasileira. Sendo assim, a demanda por produtos Intelbras teve um aumento considerável em 2020 e no primeiro semestre de 2021.

Recentemente, anunciamos uma colaboração com a Qualcomm para a produção do 5G Customer Premise Equipment (CPE). A iniciativa visa suprir a demanda de operadoras e provedores de internet no Brasil em um momento importante em que a iminência do leilão das frequências para o 5G aumenta a necessidade de desenvolvimento do ecossistema de dispositivos 5G e Wi-Fi 6 no País.

Com o acordo plurianual, a Intelbras se tornou a primeira empresa brasileira a avançar em direção ao desenvolvimento local de soluções baseadas na tecnologia 5G e também à integração na cadeia mundial de produção da quinta conectividade, tornando o Brasil parte importante do setor produtivo para a quinta geração de conectividade. A Intelbras está investindo R$ 150 milhões neste projeto durante cinco anos, a maior parte na unidade de São José, na Grande Florianópolis, o que vai gerar 200 postos de trabalho diretos.

 

João Daronco (foto divulgação Suno Research)
João Daronco (foto divulgação Suno Research)

A linha de Smart Home tem crescido? Quais perspectivas para os próximos períodos?

A Intelbras tem inovação no seu DNA, possuímos um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento da América Latina com mais de 400 profissionais, entre engenheiros, designers etc. Isso nos possibilita o desenvolvimento e produção de soluções tecnológicas modernas, de alta qualidade e com foco no consumidor e mercado brasileiros.

Lançamos, em março de 2021, a linha mais completa de automação residencial do mercado, batizada de Izy. Ela é composta por produtos que permitem, por exemplo, ligar e desligar remotamente as luzes de casa ou mesmo programar cenários de iluminação; dispositivos para acionar eletrodomésticos como a máquina de lavar ou o ar-condicionado antes mesmo de se chegar em casa; controlar o acesso com fechadura digital; vídeo porteiros e portões; aparelhos para transformar qualquer televisão em uma smart TV e muitas outras ações.

Visamos não só a praticidade, mas também a segurança do ambiente, como abrir portas e atender visitas mesmo de longe, podendo até simular a presença; receber alertas em seu smartphone em caso de janelas ou gavetas abertas; tentativa de invasão; vazamento de gás e detecção de fumaça. Com os nossos dispositivos, o usuário consegue transformar eletros comuns em equipamentos inteligentes e criar diversos cenários de aplicação.

Nossa missão é democratizar esse conceito de smart home e seus benefícios, mostrando que uma casa conectada vai trazer muito mais do que praticidade, mas vai mudar o modo como vivemos. A segurança de saber que você saiu de casa para trabalhar e realmente trancou a porta ou desligou a sanduicheira, ou que a pessoa está viajando e pode receber notificações caso haja vazamento de gás ou alguma janela seja aberta. Essas são situações que trazem tranquilidade e transformam a rotina.

Trabalhamos para que os produtos sejam cada vez mais acessíveis para o bolso do consumidor, além de serem fáceis de instalar e usar, estamos criando materiais para comunicar os benefícios destes produtos no dia a dia, desde vídeos onde mostram possíveis cenários e integrações inteligentes, treinamento com equipes de vendedores e profissionais de instalação. A capilaridade da Intelbras tem extrema importância para levar as soluções IoT pelo Brasil todo. Estamos em 98% do território brasileiro, e os consumidores podem encontrar os produtos da Intelbras em todos os lugares, seja com revendedores autorizados, profissionais de automação, eletricistas, lojas físicas e e-commerces.

Como líderes em nossos mercados de atuação, saímos na frente levando essa tecnologia completa a todos os clientes, através de nossos canais de comercialização. Os planos estão sendo cumpridos, e existe uma tendência de aceleração nas demandas por essas linhas, de forma que nossas expectativas são de reforçar o posicionamento nesta categoria de produtos e liderar a transição tecnológica de produtos “stand alone” para produtos conectados também para as residências brasileiras.

 

Coordenação: Jorge Priori.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

Feriado nos EUA deve reduzir liquidez global nesta segunda-feira

Hoje é Dia da Independência no país; na Europa, principais Bolsas operam em alta e na Ásia, fecharam sem direção única.

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico

Últimas Notícias

Café torrado, óleo de soja e leite UHT retraem em 2022

Cesta de bens de consumo massivo representará 37% da renda dos latino-americanos em 2022.

Safra de soja 2021/22 tem previsão de 126,18 mi de t

Estudo projeta 116,10 mi de t para as duas safras de milho.

China intensifica esforços para aliviar carga tributária das empresas

Os ministérios da China lançaram uma série de políticas de apoio, com o objetivo de manter as empresas e os negócios autônomos à tona, em meio à epidemia de COVID-19, com foco no corte de taxas e impostos.

Reservatórios fecham junho com o melhor índice em 10 anos

Período seco está iniciando o seu terceiro mês e afluências devem ficar abaixo da média na primeira semana de julho.

China lançará esquema de conexão de swap de juros Continente-HK

O banco central chinês, o Banco Popular da China (PBOC), anunciou na segunda-feira a aprovação de três instituições de infraestrutura financeira para desenvolver um esquema de acesso mútuo conectando os mercados de swap de taxas de juros do continente chinês e da Região Administrativa Especial de Hong Kong (HKSAR), informou Xinhua Finance nesta segunda-feira.