Copom inicia sexta reunião do ano para definir juros básicos

Expectativa é que taxa Selic suba de 5,25% para 6,25% ao ano.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central começa hoje, em Brasília, a sexta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic, e deve repetir os aumentos promovidos nos últimos quatro encontros. Amanhã, ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.

Com a alta da inflação nos últimos meses, a previsão das instituições financeiras é de que a Selic deve subir de 5,25% ao ano para 6,25% ao ano, nesta reunião. A expectativa de alta está no Boletim Focus, pesquisa divulgada toda semana pelo BC. Para o final de 2021, o mercado prevê que a taxa fique em 8,25% ao ano.

Os membros do Copom também sinalizaram, na ata da última reunião, que devem manter a elevação da Selic no mesmo patamar de 1 ponto percentual, com uma política monetária mais contracionista diante da piora recente dos índices de preços.

Dessa forma, a Selic continua em um ciclo de alta, depois de passar seis anos sem ser elevada. De julho de 2015 a outubro de 2016, a taxa permaneceu em 14,25% ao ano. Depois disso, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia até que a taxa chegou a 6,5% ao ano, em março de 2018.

Em julho de 2019, a Selic voltou a ser reduzida até chegar ao menor nível da história em agosto de 2020, em 2% ao ano. Começou a subir novamente em março deste ano, quando avançou para 2,75% ao ano e, no início de maio, foi elevada para 3,5% ao ano. Em junho e agosto, subiu para 4,25% ao ano e 5,25% ao ano, respectivamente.

Para 2021, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2,25% e o superior é 5,25%.

No último Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária estimava que, em 2021, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é a inflação oficial do país, fecharia o ano em 5,82% no cenário base, com Selic em 6,25% ao ano e câmbio em R$ 5,05. O novo relatório será divulgado na semana que vem, com a previsão atualizada, considerando a taxa Selic que será definida pelo Copom nesta semana e os aumentos inflacionários dos últimos meses.

Em agosto, puxada pelos combustíveis, a inflação subiu 0,87%, a maior inflação para o mês desde o ano 2000, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses, o maior acumulado desde fevereiro de 2016, quando o índice alcançou 10,36%.

A projeção do mercado é de uma inflação fechando o ano em 8,35%, de acordo com o último boletim Focus. É a 24ª alta consecutiva da previsão das instituições financeiras.

Segundo Felipe Sichel, estrategista-chefe do Banco Digital Modalmais, dadas as nossas expectativas de inflação e as expectativas do boletim Focus, uma maior importância para 2023 representaria um viés dovish no documento. Destacamos abaixo a dispersão dos pesos atribuídos aos anos que compõem o horizonte relevante no comunicado. Nosso período de análise contempla os anos de 2016 até 2020, sempre focando nas três reuniões que antecedem a última do respectivo ano.”

Em sua análise, Felipe diz que “graficamente, atribuímos o peso de 100% quando há menção a apenas um ano no horizonte relevante. Quando se menciona dois anos, atribuiu-se um peso de 50% para cada. Já quando se dá preferência a um ano frente ao outro, damos 75% para o com maior peso e 25% para o outro. Assim, mostramos a evolução da definição de ‘horizonte relevante’ entre: (i) contemplar somente o ano t+1; (ii) contemplar o ano t+1 e, em grau menor, t+2; (iii) contemplar com igual peso t+1 e t+2.”

Ele lembra que em 2016 e 2017 o Banco Central passou a incluir no horizonte relevante para a política monetária o ano t+2 com o mesmo peso de t+1 relativamente cedo. Em 2018 e 2019 o Banco Central demorou para incluir o ano t+2 no horizonte relevante e, quando incluiu, seguiu priorizando o ano t+1 frente a t+2. Em 2020 o BC já incluiu no horizonte relevante o ano t+2 na reunião do mês de agosto, mas ainda priorizando o ano t+1.

“O ano de 2021 segue o padrão do ano passado de já incluir o ano t+2 no horizonte relevante e também dá um peso menor à ele frente a t+1. Portanto, dado que 2023 já ingressou com um grau menor no comunicado de agosto, um salto para pesos iguais corroboraria a tese de um movimento dovish do Copom.”

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

O que está acontecendo com o Magazine Luiza e a Via Varejo?

Companhias dependem muito de crédito e sofrem com alta dos juros.

Mercados recuam após discurso de Powell

Hoje é dia de agenda sem muitos dados.

Últimas Notícias

Metrô: Estação Presidente Vargas vai se chamar Saara

PL segue para segue para o governador Cláudio Castro, que tem 15 dias para sancionar ou vetar.

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues

A nova revolução do setor contábil

Por Mauricio Frizzarin.