Copom reforça a piora na dinâmica inflacionária

Mantemos nosso cenário para a taxa Selic inalterada, com mais uma elevação de 50 pontos base em agosto.

A ata da 247ª reunião do Copom reforça a perspectiva da necessidade de uma elevação adicional da taxa Selic na reunião de agosto e indica a manutenção da taxa básica de juros em patamar consideravelmente contracionista durante longo período de tempo. O documento é hawk vis-à-vis o comunicado de semana passada.

Em nossa leitura, destaca-se principalmente a informação contida entre o parágrafo 15 ao parágrafo 18. A deterioração nos determinantes de inflação de curto e longo prazo foi explicitada pelo Comitê e corrobora as projeções em nosso cenário.

Evidencia-se especificamente no parágrafo 16 que “a estratégia de convergência para o redor da meta exige uma taxa de juros mais contracionista do que o utilizado no cenário de referência por todo o horizonte relevante.” Note-se que, no cenário de referência, a Selic estava em 13,25% para 2022 e 10,0% para 2023.

Assim, acreditamos que o Copom sinaliza de forma mais evidente que não há intenção de se reverter no curto prazo a dose de aperto monetário implementado. Portanto, ganha em probabilidade nosso cenário alternativo de que a taxa de juros possa permanecer no patamar de 13,75% até o segundo semestre do ano que vem.

Em relação a outros pontos da ata, destacamos: (I) a leitura sobre os riscos internacionais pelo Copom; (II) a manutenção presente no comunicado da avaliação sobre as medidas fiscais para controlar a inflação em tramitação; e (III) a percepção de que a revisão e a surpresa positiva do crescimento da atividade estão ligadas ao processo de normalização da economia e ao estímulo fiscal transitório no primeiro trimestre.

Sobre o cenário global, em especial, o Comitê avalia que os desenvolvimentos decorrentes dos problemas nas cadeias globais de produção e da guerra na Ucrânia podem ser sentidos no longo prazo e ter impactos inflacionários prolongados no mercado de bens (“regionalização da cadeia de suprimentos”

Por outro lado, o Copom já antecipa uma desaceleração global em função das tensões geopolíticas e do aperto das condições monetárias e financeiras em diversas economias. Esses fatores podem reverter, mesmo que parcialmente, a trajetória das commodities em moeda local.

Em nossa leitura, o Copom reforça a piora na dinâmica inflacionária e nos riscos reconhecidos no comunicado. Mantemos nosso cenário para a taxa Selic inalterada, com mais uma elevação de 50 pontos base em agosto e posterior manutenção do juro neste patamar até o segundo semestre do ano que vem.

.

Felipe Sichel

Sócio e economista-chefe do Banco Modalmais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Criptomoedas: avaliações sobre o 1º semestre e perspectivas para o 2º

Alta dos juros e Ucrânia derrubaram cotações, dizem especialistas.

Mercado de trabalho nos próximos meses pode continuar frágil

Segundo especialistas, no segundo semestre, oportunidades poderão se concentrar no mercado de trabalho informal.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico