28.7 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Coração bate forte

O comércio lojista carioca está otimista com as vendas no Dia dos Namorados. A expectativa é de um aumento das vendas de 7% em relação a 2008. Pesquisa do Clube de Diretores Lojistas (CDL-Rio), que ouviu 500 empresários do setor da cidade, mostra que os lojistas acreditam que calçados (33,3%), jóias e bijuterias (27,8%), roupas (25%) e perfumes (22,2%) devem ser os presentes mais vendidos.

Amor em parcelas
O preço médio dos presentes por pessoa no Dia dos Namorados deve ser de R$ 80 e o cartão de crédito parcelado deverá ser o meio mais utilizado como forma de pagamento, seguido do cheque parcelado, crediário e finalmente dinheiro e cartão de débito. “Os empresários estão fazendo muitas promoções, diversificando planos de pagamento e criando formas de crediário mais fácil”, diz o presidente do CDL-Rio, Aldo Gonçalves.

Românticos
Segundo os dados do CDL-Rio, os homens são os que mais presenteiam.

Mata é vida
A Nova Cedae – companhia estatal de saneamento do Rio – é a empresa vencedora da primeira edição do Prêmio ACRJ de Sustentabilidade 2009. “A Cedae foi escolhida pelos resultados efetivamente alcançados nesse campo, com o programa de reflorestamento Replantando Vida”, declarou o vice-presidente do Conselho de Meio Ambiente da Associação Comercial do Rio de Janeiro, Joper Padrão. Este projeto visa à recomposição das matas ciliares dos rios Guandu e Macacu e prevê o replantio de mudas com a participação de estudantes das redes pública e privada e de detentos do regime aberto e semi-aberto.
A solenidade de entrega será realizada nesta quarta-feira, às 10h, na sede da associação (R. da Candelária, 9/12º andar, Centro), aproveitando a Semana Mundial do Meio Ambiente e como parte da comemoração dos 200 anos da ACRJ.

Empregos
A Caixa Econômica Federal vai liberar R$ 20 milhões para os pequenos e médios fabricantes de refrigerante brasileiros aplicarem em melhorias no setor. Além de acesso às linhas de crédito, os empresários disporão de produtos de captação por meio de fundos exclusivos. Segundo o presidente da Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil, Fernando Rodrigues de Bairros, “o setor gera cerca de 21 mil empregos e outros serão gerados a partir dessa iniciativa, e a Caixa possui um forte compromisso social”.

No sábado
Esta coluna acreditou que o Dia do Geólogo seria comemorado nesta terça-feira. Na verdade, foi dia 30 de maio.

Chutometria
A imprecisão dos dados manuseados por alguns economistas foi internalizada de tal forma pelo jornalismo econômico que nenhum órgão de comunicação estranhou a informação divulgada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), domingo, durante o anúncio das 12 cidades sedes da Copa do Mundo, de que o evento geraria 3,6 milhões de empregos por ano até 2014. Da mesma forma, a retificação feita pela FGV, um dia depois, de que o número projetado, na verdade, refere-se ao total de vagas a serem produzidas, ou seja, 600 mil por ano, tampouco mereceu maior espanto. Pelo visto, no país da bola, são os economistas, com a cobertura do jornalismo acrítico, os maiores chutadores.

Público&privado
A confusão entre interesse público e morbidez social é um debate antigo no jornalismo, atravessado cada vez mais pelos constantes atropelos à ética que pauta grande parte da mídia contemporânea mais preocupada com seu$ interesse$ financeiro$. Por isso, apesar do caráter trágico do evento e das angústias e ansiedades compreensíveis que causou, a decisão da Air France de liberar publicamente os nomes dos passageiros apenas após informar às respectivas famílias deve ser considerado um paradigma importante para casos similares. Na mesma direção, insere-se a postura da empresa de excluir da relação os nomes daqueles cujas famílias optaram por não expor seus entes à curiosidade do público.

Artigo anteriorEspeculação dupla
Próximo artigoConquista
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.