Corona: resposta do governo impacta negativamente em receitas/despesas

Abril pareceu ter sido o ponto mais baixo da pandemia; dados antecedentes e coincidentes mostram dados positivos para maio e junho.

Opinião do Analista / 13:13 - 2 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Governo - Covid-19 e a resposta do governo a ela impactam negativamente nas receitas e despesas. Nossa expectativa é de um déficit primário recorde em 10% do PIB, mas existe o risco de ser pior. Superávit primário não antes de 2023.

 

Atividade econômica - Abril pareceu ter sido o ponto mais baixo da pandemia. Os dados antecedentes e coincidentes mostram dados positivos para maio e junho. Mas a recuperação é parcial. Nossa expectativa é uma queda de 12% no PIB no segundo trimestre e -7,4% em todo o ano de 2020.

 

Política monetária - Banco Central reduziu a taxa Selic em 75 pbs para 2,25%. Nossa expectativa é a manutenção nesse nível por um longo período. Mas o Banco Central deixou a porta aberta para um corte adicional em agosto, condicionado ao balanço de riscos, evolução da pandemia e dados fiscais.

 

Setor externo - O real depreciou-se com aversão de risco no exterior. No curto prazo, taxa impulsionada pelo mercado externo, mas, a longo prazo, poder voltar aos fundamentos macroeconômicos. Contudo, a deterioração dos dados fiscais e o ruído político podem limitar essa melhoria. Assim, mudamos nossa expectativa para o final de 2020 de R$ 4,50 para R$ 5,10.

.

Mitsubishi UFJ Financial Group, Inc.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor