Coronavírus puxa alta de instalação de apps de delivery

Número de apps instalados até o último dia 16 já representa 61,3% do total de vezes que esses aplicativos foram baixados em 2019.

Informática / 23:46 - 23 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A chegada do novo coronavírus ao Brasil e as consequentes medidas de isolamento social adotadas em todo o país já provocaram aumento considerável por aplicativos de delivery. De acordo com levantamento do RankMyAPP, empresa de inteligência de marketing e aquisição para aplicativos de celular, o número total de apps instalados até o último dia 16 já representa 61,3% do total de vezes que esses aplicativos foram baixados em todo o ano passado.

Apenas nos 11 primeiros dias de março, o total de instalações de aplicativos de delivery no mercado brasileiro representou 54% de todas as instalações no mês anterior (o primeiro caso de coronavírus no Brasil foi confirmado pelo Ministério da Saúde em 25 de fevereiro).

"Embora a Organização Mundial da Saúde ainda não tenha manifestado recomendações acerca do trabalho remoto, muitas empresas já liberaram os funcionários para ficar de casa, e boa parte da população adotou a quarentena preventiva. Os números mostram que os aplicativos de delivery são uma saída muito útil e segura no momento atual, e que essa opção deve continuar em crescimento significativo no Brasil", analisa Leandro Scalise, CEO do RankMyAPP.

A pesquisa do RankMyAPP (http://bit.ly/RankMyAPP) Çrevela também que, entre 20 de fevereiro e 16 de março, houve aumento de 24% em instalações de apps de delivery, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Ao analisar os primeiros 16 dias de março, verifica-se um aumento de 15% com relação ao mesmo período de 2019.

O pico de instalações em março, aliás, aconteceu no dia 6: aumento de 126% em comparação a 6 de março de 2019. Naquela data, o Ministério da Saúde alertava que a transmissão comunitária (ou sustentada) - aquela em que não é possível identificar onde as pessoas contaminadas pegaram o vírus - era apenas uma questão de tempo.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor