Correa sobe

Se é verdade que os grandes líderes se revelam nos momentos de grave crise, o presidente do Equador, Rafael Correa, mostrou, com sua atuação até aqui, ser um líder em ascensão. Firme no repúdio à invasão colombiana, também mostrou habilidade, ao trocar a retórica ideológica, pela defesa do princípio internacional da inviolabilidade territorial. Com isso, atraiu apoios de governos tão distintos, como os de Chile, Venezuela, Brasil, Argentina, Paraguai e Panamá.

Repondo a ordem
A decisão da OEA de condenar por unanimidade a invasão do Equador pela Colômbia é o primeiro passo para garantir a volta à normalidade institucional nas relações entre os países da região. Ao reafirmar que o território nacional é inviolável, os países integrantes da OEA isolam a política belicista de Álvaro Uribe, que, como fosse um genérico do presidente Bush, tenta reproduzir na América do Sul a lógica da “invasão preventiva”, que lastreou a aventura estadunidense no Iraque. Ao mesmo tempo, os países que apoiaram a condenação destacam que os problemas da América do Sul devem ser resolvidos pelos países da região.
Embora um passo importante e indispensável para baixar a fervura da crise, a condenação da Colômbia não pode esgotar-se na resolução. A invasão do Equador não foi a primeira a ser perpetrada pelo governo daquele país. Tropas militares colombianas já empreenderam ações na Venezuela, na qual já seqüestraram integrantes das Farc, e no Brasil, segundo confissão de Luiz Felipe Lampreia, chanceler do presidente FH e que, no entanto, ao tomar conhecimento da implantação de bases estrangeiras no país, limitou-se a convocar o embaixador da nação invasora, só, agora, dando publicidade ao fato.
É preciso deixar, claro, que qualquer tentativa de transplantar para o subcontinente ações de interesse geopolítico de atores estranhos à América do Sul será rechaçada e levará seus autores ao isolamento político, econômico e militar. Para isso, é fundamental que o governo Lula continue a manter sua posição serena, altiva e firme em defesa da soberania nacional que tem exibido em todo o episódio.

Dos pés à cabeça
Em tempo, Lampreia, que, agora, ao divergir da política externa brasileira, clama por altivez, é o mesmo que não viu problema em retirar os sapatos para a alfândega dos Estados Unidos, submetendo o país à humilhante situação de subalterno às idiossincrasias da administração Bush.

Sem-imposto
Um ex-prefeito de município do interior do Estado do Rio fez os cálculos: com a reforma tributária, os municípios do interior perdem sua fatia no ICMS. A arrecadação do imposto volta a ficar concentrada nas capitais.

Sem-cultura
O prefeito do Rio, Cesar Maia, completa: com a reforma tributária, as leis estaduais de incentivo à Cultura, via ICMS, perdem valor e esse incentivo desaparece.

SubBush
Cinco anos depois da ficção das “armas de destruição em massa”, que destroçaram a biografia de Collin Powell e resultaram na morte de cerca de um milhão de iraquianos, entra em cartaz nova versão do mesmo filme Z: “as bombas sujas das Farc”.

Sexualidade
O Dia Internacional da Mulher, 8 de março, será comemorado pela Bayer em Belford Roxo reunindo 100 mulheres, entre suas colaboradoras e de empresas parceiras instaladas em seu parque industrial, para assistirem à palestra “Saúde Feminina: Sexualidade e Métodos Contraceptivos”. O evento está marcado para esta quinta-feira, na área social do complexo industrial da empresa na Baixada Fluminense. O programa Atenção e Orientação à Saúde Sexual Reprodutiva  também está ao alcance das comunidades de Belford Roxo. Cerca de 2.700 adultas e adolescentes já participaram das palestras sobre saúde sexual e planejamento familiar.

Belicista
Acusam Hugo Chávez de ser a favor da guerra. Só que a Colômbia tem um Exército quatro vezes maior do que o venezuelano. E o país que mais gasta em armas na América Latina é o Chile. Além disso, a corrida armamentista colombiana é turbinada pelo dólar de Washington, que já destinou cerca de US$ 8,4 bilhões ao país de Álvaro Uribe.

Artigo anteriorCausa própria
Próximo artigoAbandono
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Objetos do Coração ajuda o Pró Criança Cardíaca

E-commerce que vende objetos para casa e decoração exclusivamente em formato ou com estampa de coração vai doar 10% da venda de produtos selecionados...

Empresa Fácil oferece estudo de viabilidade a novos empreendedores  

Sistema permite a emissão do Alvará Provisório em 24h.

Fatores comportamentais podem influenciar nos acidentes de trabalho

Psicóloga e uma assistente social e também técnica de segurança do trabalho criaram o jogo Conversa Segura.

Reclamações sobre serviços de telecom caem 28,4% em maio

O número de reclamações de usuários dos serviços de telecomunicações caiu 28,4% em maio de 2021 na comparação com maio do ano passado, segundo...

EMS explica faturamento com o ‘kit Covid’

farmacêutica brasileira EMS informou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia que faturou R$ 142 milhões com medicamentos do kit Covid-19 em 2020,...