Corte

O senador Roberto Saturnino (PSB-RJ) apontou uma ligação do acidente na plataforma P-36 com o processo de desmonte da Petrobras. “Em razão do corte de 50% do número de funcionários, a Petrobras perdeu em eficácia e segurança, mesmo tendo aumentado sua produção”, alerta o senador. O senador afirmou, porém, não ter críticas em relação à gestão Reichstul, já que essa política de enfraquecimento da estatal é anterior ao atual governo. “Fernando Henrique dá continuidade a esse processo”, critica Saturnino. Ele aprovou requerimento no Senado de pesar às vítimas e seus familiares.
Prenúncio?
A plataforma P-36 da Petrobras foi encomendada à empresa Marítima, adquirida na Itália e levada para obras de adaptação no Canadá. A plataforma operava em águas rasas e por isso a necessidade de adaptar. Durante a reforma, o engenheiro que lá estava não tinha poder para decidir. Quando algum problema surgia era preciso esperar que resoluções fossem tomadas no Brasil. Como às vezes a resposta demorava e havia prazos a cumprir, o estaleiro canadense – que faliu em 1998 – decidia e executava por conta própria. Em tempo: existem mais três plataformas encomendadas à mesma Marítima.
Made in Canada
Fontes diplomáticas canadenses ouvidas ontem por esta coluna repeliram com veemência a informação de que a P-36 seja conhecida no Canadá como “plataforma louca”.

Armadilha tucana
A confirmarem-se as previsões dos analistas financeiros de que a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), semana que vem, vai manter a taxa de juros básica (Selic) engessada em 15,25% ao ano, o país estará caminhando para fortes emoções em relação à rolagem da sua monumental dívida pública, superior a R$ 500 bilhões.
Além da pressão oriunda da manutenção de juros estratosféricos – responsáveis pela correção de 60% da dívida – a capacidade do governo de continuar honrando o pagamento de seus débitos sofrerá a influência da alta no câmbio, a cuja variação estão vinculados cerca de 20% dos títulos públicos.
Como a manutenção dos juros em níveis absurdos não é meramente conjuntural, sendo a manifestação mais emblemática do modelo dependente do capital externo imposto ao país,  mais cedo ou mais tarde o governo verá secar suas fontes de financiamento ou será obrigado a arcar com prêmios tão elevados que tornarão a rolagem inviável, o que, na prática, dá no mesmo.
Para evitar a repetição da versão tucana do sucesso de Vianinha “Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega”, o primeiro passo é romper o círculo vicioso que obriga o país a se endividar interna e externamente para manter um modelo cujos estertores são ouvidos estrondosamente em todo o mundo.

Viúva
Por que o banco fundado pelo escocês John Law em Paris em 1716 fez um sucesso tão grande a ponto de suas ações serem disputadas na rua em frente à sede da instituição? Como nenhum leitor errou, claro que houve participação da veuve. Após a morte de Luís XIV, a dívida da França equivalia a 80% do PIB do país. O governo não tinha como pagar o serviço do débito. O banco fundado por Law vendeu 12 mil ações e os investidores podiam pagar 75% do valor com billets d”état. Em seguida, o regente da França, duque de Orleães, decretou que as notas bancárias de Law poderiam ser usadas para pagar impostos. Com o lançamento de ações da Companhia do Mississipi e novas chamadas para compra de ações do banco, houve maciça monetarização da dívida pública. O conglomerado de Law recebeu sucessivas benesses governamentais – inclusive o monopólio do tabaco. Em 1718, Orleães baniu a posse pessoal de moeda; apenas as notas bancárias de Law teriam valor legal. Resultado: o governo se endividando cada vez mais e quanto mais subia a dívida mais ações eram vendidas, a preços crescentes. O estouro da bolha é assunto para amanhã.

Balinha
A Asep, agência que cuida dos serviços públicos, encaminhou ofício às concessionárias Barcas S.A e SuperVia determinando a suspensão da prática do vale-troco. Devido à falta de moedas em circulação, as duas concessionárias criaram um nova moeda, o vale-troco. No caso das Barcas, o trajeto Rio-Niterói custa R$ 1,18, logo a empresa é abrigada a dar R$ 0,02 ao passageiro. Caso não tenha o troco, a empresa é obrigada a arredondar o preço do bilhete para baixo. As duas empresas se comprometeram a suspender o vale-troco.

Artigo anteriorCorcunda
Próximo artigoSem carruagem
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É a saúde (além da economia), estúpido!

Vacinação e estímulos à economia andam juntos; Brasil fica para trás em ambos.

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.