Cortes seletivos

A aprovação dos reajustes para algumas categorias de funcionários federais, com ostensiva ação do governo interino, ajudou a deixar claro, para quem ainda tinha dúvidas, dois fatores: primeiro, que é preciso pagar dívidas de campanha (pelo impeachment), ou, pelo menos, evitar arestas com certos setores; segundo, que os cortes de gastos, tão alardeados pela equipe econômica como o caminho para salvação do país, necessitam, sempre, de um complemento: gastos em quê? Em juros, nem pensar. Os cortes vão ocorrer no salário mínimo e nas aposentadorias, aproveitando o discurso da austeridade para solapar direitos trabalhistas e aumentar a desigualdade. A aprovação em primeiro turno da DRU, que retira verba da saúde, educação e previdência para pagar juros da dívida significa a morte da Previdência Social, na avaliação do deputado conservador – mas, ressalte-se, defensor dos aposentados – Arnaldo Faria (PTB).

O reajuste de parte do funcionalismo, que beneficia, entre outros, os ministros do Supremo e os procuradores da Lava Jato, não significa que vai-se conquistar a simpatia de ambos aos processados e investigados. Mas é uma forma pouco ortodoxa de evitar brigas. O problema é por quanto tempo o governo do presidente interino resistirá às pesadas críticas que tem recebido daqueles que acreditavam no discurso da austeridade. O deputado Nelson Marchesan Junior (PSDB) calcula em R$ 100 bilhões o custo dos reajustes até 2019 (número mais realista que os R$ 58 bilhões divulgados pelo governo). O tucano disse ainda que o projeto traz contrabandos, como um trem da alegria para 11,5 mil funcionários cedidos, o que é inconstitucional, na avaliação de Marchesan.

A reação de empresários, coxinhas e funcionários não contemplados só crescerá. Temer terá que recuar – mais uma vez.

Transparência

A Frente pelo Controle e Contra a Corrupção, grupo que reúne entidades da sociedade civil e servidores da Controladoria-Geral da União (CGU), divulgou manifesto em que defende compromissos para garantir a independência do órgão. A nomeação de um ministro menos comprometido com as lides palacianas não é suficiente.

Entre as propostas estão: manutenção do nome CGU; vinculação à Presidência da República, como garantia de ascendência do controle interno ante os órgãos fiscalizados, em consonância com as melhores práticas internacionais; manutenção do status de ministro de Estado ao titular da instituição; nomeação do ministro pela Presidência com base em lista tríplice elaborada pelos quadros técnicos da instituição. O manifesto até agora tem assinaturas de 126 entidades.

Diga-me com quem andas

A reacionária Sociedade Rural Brasileira (SRB) defende que a liberação de venda de terras no Brasil a estrangeiros seja feita de maneira total e irrestrita. A medida tem simpatia do presidente em exercício, Michel Temer.

Acesso paralímpico

A cerimônia da quarta edição do Prêmio de Acessibilidade na Web – o [email protected] – ocorrerá durante os Jogos Paralímpicos Rio 2016. Realizado pelo Centro de Estudos sobre Tecnologias Web (Ceweb.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), a premiação reconhece iniciativas que tornam a rede mais acessível. Além da entrega dos prêmios e da apresentação dos melhores projetos, que ocorrerão no Rio Media Center, serão promovidas oficinas com especialistas e haverá a participação de atletas paralímpicos.

As inscrições estão abertas até 9 de junho em http://premio.ceweb.br/

Rápidas

O novo ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, é um dos participantes da cerimônia de abertura do 27º Congresso Brasileiro do Aço, que acontece no dia 8 próximo, às 9h, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. O congresso termina no dia 9 *** A 6ª Conferência Brasileira de Contabilidade e Auditoria Independente, que será realizada nos dias 13 e 14 de junho, no Theatro Net, em São Paulo, trará aos participantes discussões sobre um tema em evidência para empresas e firmas de auditoria: a adoção pelo Brasil do Novo Relatório de Auditoria. Já utilizado em diversos países, o novo modelo de relatório traz as informações de forma mais transparente e acessível para leitura. Mais em www.ibracon.com.br/conferencia/edicao6/index.php *** No próximo dia 14, os conferencistas internacionais Saskia Sassen (Estados Unidos), Choukri Ben Ayed (França) e Pablo Maturana (Colômbia) debaterão, em São Paulo, a vida nas metrópoles globalizadas, a educação e políticas públicas nas periferias – além do uso sustentável e igualitário do espaço público. O Seminário Internacional Cidades e Territórios: Encontros e Fronteiras na Busca da Equidade – será na Fecomercio, das 8h30 às 18h. Inscrições: www.fundacaotidesetubal.org.br/cidadeseterritorios *** O pintor chinês Liutie Fei vai expor no Palácio do Itamaraty em 4, 5, 6 e 7 de julho.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAs novas mídias
Próximo artigoMudanças de risco

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.

Justiça obriga plano a custear medicação à base de cannabis

Paciente psiquiátrico teve direito negado; TJ-PR decidiu que plano banque tratamento, cujo custo anual é de cerca de R$ 25 mil.

Medindo o tempo

Por Edoardo Pacelli.