Covid-19 deve interromper recuperação dos serviços

Iedi diz que efeitos do coronavírus só devem ser sentidos a partir dos resultados de março.

Conjuntura / 23:40 - 25 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O volume de serviços teve alta de 0,6% na passagem de dezembro do ano passado para janeiro deste ano. O setor havia tido queda de 0,5% na passagem de novembro para dezembro. Os dados, da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a pesquisa, foram registradas altas de 1,8% na comparação com janeiro de 2019 e de 1% no acumulado de 12 meses.

Quatro das cinco atividades investigadas pela PMS tiveram alta de dezembro para janeiro, com destaque para o setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, que avançou 2,8%, recuperando a perda (-2,8%) acumulada nos dois últimos meses de 2019.

Também tiveram alta os outros serviços (1,2%), os serviços prestados às famílias (0,7%) e os serviços profissionais, administrativos e complementares (0,1%).

Por outro lado, os serviços de informação e comunicação foram a única atividade com queda no volume (-0,9%).

A receita nominal dos serviços tiveram queda de 0,3% na passagem de dezembro para janeiro, mas registraram altas de 4,3% na comparação com janeiro de 2019 e de 4,4% no acumulado de 12 meses.

Na análise do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), o setor de serviços, assim como a indústria e o comércio varejista, entrou em 2020 retomando o fôlego perdido no final do ano passado.

Contudo, não fossem os efeitos profundamente deletérios da pandemia do coronavírus, que só devem ser captados pelas estatísticas oficiais a partir do mês de março, o resultado de jan/20 poderia indicar uma retomada da trajetória de recuperação dos serviços. Neste quadro, porém, é difícil vir a ser mais do que uma reação passageira, ainda que um possível aumento da demanda de serviços de informação e comunicação venha a amenizar as perdas.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor