Covid-19: micros de chocolate buscam alternativas

Empresas estão investindo principalmente nas mídias sociais para se aproximar do público.

Empresas / 23:36 - 23 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Páscoa, principal período de vendas para a indústria do chocolate durante o ano, se transformou, em 2020, em um dos maiores desafios já encarados pelos setores. Com a crise provocada pela pandemia do coronavírus, os empresários que esperavam um crescimento de 5% a 10% nas vendas este ano (de acordo com pesquisas do segmento), estão tendo de criar soluções alternativas para reduzir o impacto com a restrição de deslocamento dos clientes imposta em praticamente todos os estados.

A empresária Andressa Candido comenta que a pandemia foi como um soco no estômago, pegando esses comércios em seu momento mais importante do ano. Atuando como Microempreendedora Individual, Andressa formalizou seu negócio há dois anos e vem sistematicamente desenvolvendo novos produtos para conquistar a clientela. Em 2019, ela lançou os corações de chocolate lapidados, com grande aceitação do público. Para 2020, a grande aposta são os ovos que simulam pedras preciosas. A expectativa de Andressa para a Páscoa desse ano era superar o resultado alcançado em 2019, quando a “Sabor de Marte” alcançou uma venda de aproximadamente R$ 17 mil. Com a determinação de restrição aos deslocamentos das pessoas, o foco da empresária agora é reduzir as perdas e – principalmente – encontrar novas alternativas para chegar ao cliente.

A decisão da empresária tem sido de apostar na comunicação com o público por meio das redes sociais da empresa. “Estamos dizendo ao nosso consumidor: você não precisa sair de casa. Nós vamos até você”, comenta Andressa. Além disso, a empresária adotou uma série de medidas para dar mais tranquilidade ao cliente quanto à segurança do produto: “Nós redobramos os cuidados com a higiene, que já eram altos. Estamos com regras ainda mais rigorosas. E garantimos toda a segurança até o momento da entrega na casa do consumidor, uma vez que nós mesmos fazemos esse serviço”, comenta. “Essa situação toda é muito triste. Mas não podemos parar. Temos de manter as esperanças e não podemos deixar de celebrar a vida. A cada dia estamos aprendendo algo novo com essa crise”, diz Andressa.

Atento às necessidades específicas desses empreendedores, o Sebrae preparou um conjunto de sugestões que podem ser adotadas para reduzir as perdas com a pandemia do Coronavírus.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor