CPFL leva CEEE-T por R$ 2,67 bilhões

A empresa CPFL Comercialização de Energia Cone Sul, representada pela Itaú Corretora, venceu o leilão de desestatização da Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-T), na manhã desta sexta-feira, na B3, em São Paulo. O valor econômico mínimo de alienação da totalidade das ações controladas pelo Estado do Rio Grande do Sul era de aproximadamente R$ 1,7 bilhão. O evento contou com seis interessados habilitados para participação.

Acredita-se que a troca de controle possibilitará R$ 1,5 bilhão em investimentos nos próximos cinco anos, ampliando segurança energética na Região Sul. Após abertura dos envelopes com as propostas econômicas, foi iniciada a etapa de lances em viva voz com os três proponentes que apresentaram as maiores ofertas. Ao fim, o melhor lance proposto foi de R$ 2,67 bilhões, 57,13% acima do valor mínimo estipulado no edital de desestatização, confirmando a transferência de 66,08% do capital social total da CEEE-T para a CPFL.

Segundo o BNDES, a venda reflete o objetivo do banco de fomento de “ajudar estados, municípios e Governo Federal no aumento da eficiência e da modernização”, destacou o diretor de Concessões e Privatizações do BNDES, Fábio Abrahão. “O Rio Grande do Sul é uma peça importante nessa transformação. Nossa carteira com o estado tem o setor elétrico, o meio ambiente – com um conjunto de cinco parques –, mobilidade urbana e gás”, complementou.

A agenda de desestatização também foi ressaltada pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que afirmou ser “importante reconhecer que o setor privado tem uma maior capacidade de eficiência na administração”. “A operação com o ganho de eficiência próprio do setor privado vem em proveito de toda a sociedade, com melhores serviços e menores preços. Esse ganho é revertido em melhores oportunidades de emprego a partir dos investimentos que serão feitos”, complementou. O governador lembrou ainda outras desestatizações já concluídas, como a da CEEE-D, ou em curso como a da Sulgás, a do Cais Mauá e a do serviço de saneamento.

Linhas de transmissão

A CEEE-T é responsável pela operação e manutenção de mais de 6.000 km de linhas de transmissão (5.900 km próprios) e mais de 15.700 estruturas (quase 15.300 próprias) que cobrem todo o Estado do Rio Grande do Sul com um total de 69 subestações que somam potência instalada própria de 10.513 MVA. A companhia possui a 8ª maior RAP (Receita Anual Permitida) entre as transmissoras de energia no Brasil no ciclo 2020-2021.

O processo de desestatização tem como objetivo recuperar a capacidade de investimento da empresa, que atua em um segmento de capital intensivo”, citou o BNDES. A expectativa é que a troca de controle viabilize um volume de investimento da ordem de R$ 1,5 bilhão nos próximos cinco anos, contribuindo para a estabilidade do sistema de transmissão e ampliação da segurança energética na região Sul do país. 
“A CPFL já tem uma longa história de parceria com o Estado do Rio Grande do Sul, que agora é ampliada”, declarou o presidente do Grupo CPFL, Gustavo Estrella, que também confirmou que o plano para a companhia envolve muito investimento.

O BNDES foi contratado pelo governo do Rio Grande do Sul para coordenar o processo de desestatização da empresa, e contou com o apoio técnico do Consórcio Minuano Energia — formado pelo Banco Genial, Thymos Energia e Machado Meyer — e da EY, responsável pela segunda avaliação econômico-financeira independente.

Coordenação

O diretor-presidente do Grupo CEEE, Marco Soligo, lembrou do esforço envolvido na estruturação da desestatização. “Nós tivemos mais de 113 reuniões temáticas, dez reuniões de roadshow, uma audiência pública e mais de 4.400 perguntas”, declarou.

O leilão desta sexta-feira é o segundo de uma companhia elétrica do Rio Grande do Sul neste ano. Em 3 de março o Grupo Equatorial Energia arrematou a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica (CEEE-D). A troca de controle da empresa foi concluída no dia 8 de julho. A Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica (CEEE-G) encontra-se na fase de aprovação dos estudos e deverá ter o edital de venda publicado no segundo semestre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Três perguntas: a tecnologia a favor da contabilidade

Por Jorge Priori.

Benext lança primeiro serviço de voice commerce no Brasil

Desenvolvida pela startup para Colgate-Palmolive, a loja é integrada com a Amazon e o cliente faz toda a compra por comando de voz.

Últimas Notícias

Anúncio do substituto do Bolsa Família é adiado

Promessa de Bolsonaro fez dólar comercial disparar e a bolsa de valores recuar mais de 3%.

Senado aprova auxílio-gás que barateia em 50% botijão de 13Kg

Pagamento do benefício será feito preferencialmente à mulher responsável pela família.

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer é consequência do fato de a Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa...

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Conversa com Investidor: Kepler Weber (KEPL3)

Coordenação: Jorge Priori