CPI dos EUA fica no centro das atenções nesta quarta

NY e principais Bolsas europeias operam no positivo, enquanto investidores aguardam novos dados de inflação ao consumidor nos EUA.

Nesta quarta-feira de agenda econômica interna mais esvaziada o mercado local, assim como os mercados globais, volta suas atenções para a inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, o que deve alinhar as expectativas sobre o aperto monetário por lá. Com o indicador vindo acima do esperado poderemos sentir certa pressão do dólar sobre o real, uma vez que desta forma o indicador pode indicar necessidade de aumento mais agressivo nos juros no país e com isso países emergentes, como o Brasil, sentiriam uma redução na entrada de capital estrangeiro. Com os índices futuros em Nova Iorque e as principais Bolsas europeias operando em leve alta, o Ibovespa pode ter algum fôlego no dia de hoje. No câmbio, o dólar poderá pressionar o real, uma vez que este ganha força ante várias moedas de países emergentes. O investidor também mantém no radar o avanço da variante Ômicron do coronavirus. O contrato futuro de índice Bovespa com vencimento para fevereiro de 2022 era negociado em queda de 0,21% às 9h01 desta manhã, enquanto o dólar comercial operava em alta de 0,38% neste mesmo horário.

No cenário internacional as atenções também são direcionadas à inflação ao consumidor (CPI) dos EUA. Em Nova Iorque os índices futuros são negociados em leve alta, indicando possibilidade de continuação do movimento de alta no mercado à vista, enquanto investidores aguardam os dados do CPI dos EUA, em ambiente de preocupação com o ritmo de aperto monetário no país. Às 7h18, no mercado futuro, o Dow Jones subia 0,07%, o S&P 500 avançava 0,09% e o Nasdaq se valorizava 0,19%. O juro da T-note de dois anos subia a 0,902% (de 0,898%) o da T-note de 10 anos avançava a 1,738% (de 1,739%) e o do T-bond de 30 anos aumentava a 2,071% (de 2,067% no fim da tarde de ontem). O índice DXY, que pesa a moeda americana ante seis principais rivais, operava estável a 95,627 pontos. Na Europa o cenário também é de leve alta nas principais Bolsas, com investidores também esperando pelos novos dados de inflação dos EUA, além da agenda local que tem hoje a divulgação da produção industrial na Zona do Euro. Às 7h18, a Bolsa de Londres subia 0,71%, a de Frankfurt avançava 0,43% e a de Paris se valorizava 0,60%. O euro estava em US$ 1,1363, de US$ 1,1369 no fim da tarde de ontem. A libra era cotada a US$ 1,3627, de US$ 1,3627. Na Ásia as principais Bolsas fecharam no positivo nesta quarta-feira, acompanhando o movimento de Nova Iorque, motivados pelo discurso de Powell e por dados da inflação chinesa acima do esperado. O índice Xangai Composto subiu 0,84%. O japonês Nikkei se valorizou 1,92% em Tóquio, enquanto o Hang Seng saltou 2,79%. Na Oceania, o S&P/ASX 200 avançou 0,66% em Sydney. Às 7h18, o dólar estava em 115,38 ienes de 115,31 ienes no fim da tarde de ontem.

.

Yuri Pasini

Trader Mesa Câmbio do Travelex Bank

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

PBoC corta juros na China; futuros em NY tentam recuperação

Na agenda política, o mercado fica de olho nos acenos mais próximos do centro por Lula.

Bovespa sustenta alta com exterior mais fraco

Ontem, no fechamento, São Paulo registrou alta de 1,26%, com índice em 108.013 pontos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...