CPI dos EUA fica no centro das atenções nesta quarta

NY e principais Bolsas europeias operam no positivo, enquanto investidores aguardam novos dados de inflação ao consumidor nos EUA.

Nesta quarta-feira de agenda econômica interna mais esvaziada o mercado local, assim como os mercados globais, volta suas atenções para a inflação ao consumidor (CPI) dos EUA, o que deve alinhar as expectativas sobre o aperto monetário por lá. Com o indicador vindo acima do esperado poderemos sentir certa pressão do dólar sobre o real, uma vez que desta forma o indicador pode indicar necessidade de aumento mais agressivo nos juros no país e com isso países emergentes, como o Brasil, sentiriam uma redução na entrada de capital estrangeiro. Com os índices futuros em Nova Iorque e as principais Bolsas europeias operando em leve alta, o Ibovespa pode ter algum fôlego no dia de hoje. No câmbio, o dólar poderá pressionar o real, uma vez que este ganha força ante várias moedas de países emergentes. O investidor também mantém no radar o avanço da variante Ômicron do coronavirus. O contrato futuro de índice Bovespa com vencimento para fevereiro de 2022 era negociado em queda de 0,21% às 9h01 desta manhã, enquanto o dólar comercial operava em alta de 0,38% neste mesmo horário.

No cenário internacional as atenções também são direcionadas à inflação ao consumidor (CPI) dos EUA. Em Nova Iorque os índices futuros são negociados em leve alta, indicando possibilidade de continuação do movimento de alta no mercado à vista, enquanto investidores aguardam os dados do CPI dos EUA, em ambiente de preocupação com o ritmo de aperto monetário no país. Às 7h18, no mercado futuro, o Dow Jones subia 0,07%, o S&P 500 avançava 0,09% e o Nasdaq se valorizava 0,19%. O juro da T-note de dois anos subia a 0,902% (de 0,898%) o da T-note de 10 anos avançava a 1,738% (de 1,739%) e o do T-bond de 30 anos aumentava a 2,071% (de 2,067% no fim da tarde de ontem). O índice DXY, que pesa a moeda americana ante seis principais rivais, operava estável a 95,627 pontos. Na Europa o cenário também é de leve alta nas principais Bolsas, com investidores também esperando pelos novos dados de inflação dos EUA, além da agenda local que tem hoje a divulgação da produção industrial na Zona do Euro. Às 7h18, a Bolsa de Londres subia 0,71%, a de Frankfurt avançava 0,43% e a de Paris se valorizava 0,60%. O euro estava em US$ 1,1363, de US$ 1,1369 no fim da tarde de ontem. A libra era cotada a US$ 1,3627, de US$ 1,3627. Na Ásia as principais Bolsas fecharam no positivo nesta quarta-feira, acompanhando o movimento de Nova Iorque, motivados pelo discurso de Powell e por dados da inflação chinesa acima do esperado. O índice Xangai Composto subiu 0,84%. O japonês Nikkei se valorizou 1,92% em Tóquio, enquanto o Hang Seng saltou 2,79%. Na Oceania, o S&P/ASX 200 avançou 0,66% em Sydney. Às 7h18, o dólar estava em 115,38 ienes de 115,31 ienes no fim da tarde de ontem.

.

Yuri Pasini

Trader Mesa Câmbio do Travelex Bank

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta do dólar ante moedas emergentes pode manter real pressionado hoje

No câmbio, nossa moeda poderá seguir depreciado ante o dólar, uma vez que a moeda americana opera em alta no exterior.

Educação financeira para enfrentar dívida do cartão de crédito

Uma alternativa é a solicitação de empréstimo consignado, que tem juros menores.

Dívida e inflação reduzem consumo; cenário pode se arrastar por meses

Efeito cascata: do consumidor para o comércio, depois para a indústria e para o emprego.

Últimas Notícias

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.