CPI pede levantamento de petroleiras incluídas na dívida ativa

Na próxima segunda-feira está prevista a assinatura do convênio entre Secretaria estadual de Fazenda (Sefaz) e Agência Nacional do Petróleo (ANP) para fiscalizar o pagamento de royalties e participações especiais do setor.

A CPI da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que apura a queda na arrecadação de receitas compensatórias da exploração de petróleo e gás vai pedir à Procuradoria Geral do Estado (PGE) a relação das empresas do setor inscritas no cadastro da Dívida Ativa. Nesta segunda-feira, os integrantes do colegiado decidiram estender o prazo dos trabalhos em mais 60 dias.

Segundo o presidente da Comissão, deputado Luiz Paulo (Cidadania) é necessário mais tempo para analisar documentos e esclarecer detalhes sobre o processo de pagamento das compensações. “O tema é muito vasto. Estamos aqui abordando questões de desconhecimento geral, inclusive de muitos participantes do processo”, afirmou.

Por sugestão da diretora da Assessoria Fiscal da Alerj, Magda Chambriard, também será solicitada à Agência Nacional do Petróleo (ANP) auditoria operacional nos contratos.”É preciso ter acesso a mais dados do que os apresentados via auditoria contábil. Já discutimos muito sobre auditoria da dedução de abatimentos de participação especial, e a questão contábil não é suficiente para entendê-los. Reforço a importância de uma auditoria operacional”, ressaltou.

Na próxima segunda-feira está prevista a assinatura do convênio entre Secretaria estadual de Fazenda (Sefaz) e Agência Nacional do Petróleo (ANP) para fiscalizar o pagamento de royalties e participações especiais do setor. Na audiência desta segunda, representantes da Shell Brasil Petróleo e da Petrogal Brasil detalharam seus investimentos e os contratos de parceria com a Petrobras. As petrolíferas apresentaram dados consolidados sobre o pagamento de receitas compensatórias.

De acordo com o diretor comercial da Shell, Andres Jaramillo, nos últimos três anos, a empresa recolheu R$ 26,2 bilhões em receitas compensatórias no estado.

O gerente jurídico da Petrogal, Guilherme Mourelle, destacou que, desde a instalação da empresa no Rio de Janeiro, em 1999, mais de R$ 20 bilhões já foram investidos em projetos no estado. Cerca de 90% deste valor foram investidos nos campos de Tupi e Iara, na Bacia de Santos. Já o gerente contábil e fiscal da companhia, Frederico Pereira, informou que, entre os anos de 2012 e 2020, a empresa pagou R$ 20 bilhões ao estado em repasses da exploração de petróleo e gás.

“A estimativa de arrecadação de royalties e participações especiais no estado, para o ano de 2021, é de aproximadamente R$ 3,5 bilhões”, afirmou Pereira.

Artigos Relacionados

Alerj votará PL para assegurar correção salarial de servidores

Última reposição salarial para os servidores do estado foi em 2014.

Eletrobras: Firjan critica MP e recomenda veto presidencial

Para federação, emendas reduzem competitividade: 'é função do Governo Federal zelar pelo bom funcionamento do setor elétrico'.

Pessoas estão lendo mais, mas indo pouco às livrarias

Há anos, mercado editorial sofre baques diante do avanço digital; estudo mostra que consumo de literatura mudou sobretudo na pandemia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.

PADTEC HOLDING S.A. – FATO RELEVANTE – 24 de junho de 2021

Padtec apresenta informações adicionais sobre atraso na divulgação dos resultados do 1T21.

Juros em alta atrairão US$ 21 bilhões de capital especulativo

Banco Central melhora projeção de crescimento e ingresso de investimentos estrangeiros.