Aumento de carros a GNV contribuiu para alta no consumo de gás natural

O consumo de gás natural no país no segmento industrial apresentou em fevereiro um aumento de 2,7% na comparação com o resultado de janeiro. Frente a fevereiro de 2015, os números apontam uma retração de 14,3%, o que equivale a uma redução de 3,1 milhões de metros cúbicos diários no volume médio consumido pelo segmento, conforme levantamento estatístico mensal da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), apurado com concessionárias em 20 unidades da federação.
Somados todos os segmentos, o consumo total caiu 1,3% na comparação o mês anterior. Em fevereiro de 2016 foram consumidos 67,13 milhões de metros cúbicos/dia ante 68 milhões de metros cúbicos/dia em janeiro deste ano. A queda é de 18% frente a fevereiro de 2015 (78,23 milhões de metros cúbicos/dia).
O resultado é reflexo da redução da demanda por energia elétrica e do consequente desligamento das térmicas a gás – esse consumo caiu 9,4% em fevereiro ante janeiro e 30,1% na comparação com fevereiro do ano passado.
– A retração no consumo total – principalmente na comparação com os dados de 2015 – é um dos indicadores da redução da atividade industrial e da desaceleração econômica no país. Mas esse cenário em algum momento vai mudar e o gás natural é um insumo estratégico para a retomada da economia por ser uma fonte de energia cada vez mais competitiva, versátil e limpa – afirma o presidente-executivo da Abegás, Augusto Salomon.
Segundo ele, “por isso, o Brasil precisa estabelecer políticas que fortaleçam o mercado de gás natural, ampliando a oferta desse energético cada vez mais competitivo, estimulando novos investimentos e criando, assim, um ciclo positivo.”
Os dados do mês de fevereiro apontam um crescimento do consumo de gás natural no país em quatro segmentos: automotivo, residencial, comercial e cogeração.
No automotivo, o uso de Gás Natural Veicular (GNV) cresceu em todas as regiões brasileiras em fevereiro, subindo 5% em relação a janeiro.
– O Brasil precisa incentivar mais o GNV. Além de mais econômico, é um combustível confiável, principalmente com a disseminação no Brasil da tecnologia dos kits GNV de quinta geração, largamente adotados nos EUA e na Europa – diz o presidente-executivo da Abegás.
Já o segmento de cogeração teve alta 8,9% na comparação com janeiro deste ano e de 7,9% frente a fevereiro de 2015.
– Os resultados da cogeração apontam que muitos empreendimentos vêm percebendo no uso de gás natural uma excelente alternativa para ganhar em eficiência energética – explica Salomon.
Os segmentos residencial e comercial registraram os percentuais de crescimento mais expressivos. No residencial, o consumo cresceu 28,6% em fevereiro ante janeiro e 30,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já o comercial registrou alta de 16,3% frente a janeiro e 10% na comparação com o mesmo período de 2015.
Na análise da Abegás, esse bom resultado é fruto do investimento constante das concessionárias em expansão das redes de distribuição e na captação de novos clientes.
Na Região Sudeste, o consumo de gás natural nos segmentos residencial, comercial e automotivo (GNV) apresentaram crescimento de 30%, 20,7% e 5,7%, respectivamente.
Na Região Sul, destaque para os segmentos residencial e industrial com crescimento de 20,8% e 6%, respectivamente. No Nordeste, o consumo do segmento industrial teve alta de 5,4%.
Na Região Norte, o segmento automotivo (GNV) cresceu 3,2%%. No Centro-oeste, os segmentos industrial e automotivo (GNV) registraram crescimento de 28,8% e 16,8%, respectivamente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Arábica soma 67% e conilon, 33% da produção do Brasil

Safra brasileira total de café está estimada em 53,42 milhões de sacas de 60 kg, sendo 35,71 de arábica e 17,71 milhões de conilon.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.