Cresce na classe C aplicação para compor renda pós-aposentadoria

Já aposentados registram queda no padrão de vida e gastos maiores, quem ainda não se aposentou projeta vida financeira melhor.

Cresce o número de pessoas que esperam contar com aplicações financeiras e com o próprio salário para compor a renda depois de aposentadas, ao mesmo tempo em que vem diminuindo a proporção das que esperam contar com recursos do INSS. Enquanto o primeiro movimento é liderado pela classe C, o segundo é puxado pela população das classes A e B, segundo levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), feito em parceria com o Datafolha, que ouviu 3,4 mil pessoas das classes A, B, e C.

Quando ouvidos os brasileiros que ainda não se aposentaram, 48% apontam a previdência social como uma das formas de sustento para quando deixarem a ativa. A proporção vem caindo nos últimos três anos: foi de 56% em 2018 e baixou para 51% no ano seguinte, alcançando 48% em 2020. A queda na expectativa em relação ao INSS como uma das fontes de renda no futuro é notada ao longo dos anos nas três classes sociais ouvidas pelo Datafolha.

Já o grupo de brasileiros que apontam o uso de aplicações financeiras como uma das formas de sustento aumentou gradativamente no mesmo período: representava 10% em 2018, subiu para 14% no ano seguinte e alcançou 18% em 2020. Também é crescente o número de pessoas que acreditam que vão viver do próprio salário mesmo depois de aposentados: passou de 21% em 2018 e 2019 para 23% no ano passado. Chama atenção o fato de ambos os movimentos serem liderados pela classe C.

A pesquisa também aponta ligeiro crescimento nas citações à previdência privada, mencionada por 9% dos entrevistados como uma das fontes de sustento na aposentadoria, com crescimento em relação aos 7% do ano anterior. O aumento, ainda que dentro da margem de erro, é puxado pela classe C.

A pesquisa também identificou que é grande a diferença de percepção entre aposentados e não aposentados quando o assunto é a vida financeira. Enquanto os que já se aposentaram admitem que o padrão de vida piorou e os gastos aumentaram, quem ainda está na ativa projeta uma vida financeira melhor e com gastos estáveis ou em queda.

Quando perguntados sobre as despesas na aposentadoria, 54% responderam que elas aumentaram quando comparadas ao período em que estavam na ativa. Para a maioria dos que ainda não se aposentaram, a crença é de que as despesas vão se manter (39% têm essa percepção) ou diminuir (19%). E 42% dos economicamente ativos projetam despesas maiores depois de aposentados.

A diferença também aparece quando se fala em padrão de vida: 43% dos aposentados declararam que a vida financeira piorou em relação à que tinham na ativa. Para 35%, a situação agora é melhor e 22% dos aposentados avaliam que mantiveram o padrão. Entre os entrevistados que ainda trabalham, apenas 22% acreditam que a vida vai piorar depois da aposentadoria. Para 48% deles, o padrão deve melhorar e para 31% a situação deve se manter.

A pesquisa mostrou que cerca de dois terços da população brasileira economicamente ativa pretendem se aposentar entre 50 e 69 anos, ou seja, com uma média de 60 anos. Pouco mais de 20% não sabe responder ou não pensa em se aposentar. De toda a amostra, 13% são aposentados, o que corresponde a aproximadamente 13 milhões de brasileiros. Já os economicamente ativos são 87%, ou 90 milhões.

Esta é a quarta edição da pesquisa Raio X do Investidor, realizada pela Anbima em parceria com Datafolha. As entrevistas aconteceram entre 17 de novembro e 17 de dezembro de 2020, com 3.408 pessoas economicamente ativas, que vivem de renda ou são aposentadas, de 16 anos ou mais, pertencentes às classes A, B e C, nas cinco regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Leme é o bairro com aluguel mais caro no Rio; em São Paulo, Itaim Bibi

Depois de quase dois anos, a taxa de imóveis vazios disponíveis para aluguel no Rio e à espera de um inquilino voltou ao patamar...

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões