Criação de empregos formais contrasta com dados do IBGE

Em 1 ano, 377 trabalhadores demitidos por hora.

O governo está comemorando a criação de 309.114 postos de trabalho em junho, resultado de 1.601.001 admissões e de 1.291.887 desligamentos de empregos com carteira assinada. No acumulado de 2021, o saldo positivo é de 1.536.717 novos trabalhadores no mercado formal. O estoque de empregos formais no país, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, chegou a 40.899.685, em junho, uma variação de 0,76% em relação ao mês anterior. Os dados divulgados nesta quinta-feira são do Ministério da Economia e constam das Estatísticas Mensais do Emprego Formal, o Novo Caged.

Mas o Novo Caged não esclarece porque a desigualdade e a precarização se apresentam com 10 milhões de assalariados sem carteira de trabalho assinada, e que trabalham na ilegalidade. Nos cerca de 24 milhões trabalhadores por conta própria, a grande maioria não tem proteção laboral e previdenciária. Dos outros 5 milhões de trabalhadores e trabalhadoras domésticas, a maioria está na informalidade.

Cerca de 40% de 86 milhões de ocupados estão na informalidade. Entre os empregados, o IBGE estima que mais de 7 milhões estão subocupados porque têm jornada de trabalho parcial, portanto inferior àquela que gostaria de trabalhar e para a qual estão disponíveis, traz ainda o levantamento do ex-diretor-técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio.

Em um ano, 377 trabalhadores perderam o emprego por hora no Brasil. O auge foi em agosto de 2020, período mais crítico da pandemia, com a perda de 1.366 empregos por hora. Este número foi levantado pela consultoria IDados, a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua do IBGE, do mês de abril deste ano.

Para presidente de CUT, Sérgio Nobre, essa tragédia é resultado da política econômica do governo de Jair Bolsonaro, da falta de investimentos público e da precarização dos empregos. “O governo Bolsonaro desmontou instrumentos de desenvolvimento do país e a iniciativa privada não tem, historicamente, condições de exercer o papel de indutor da economia, como quer Guedes e Bolsonaro”, ressalta.

A taxa de desemprego ultrapassa 14,7%, o dobro da taxa verificada em 2013 (governo Dilma) que estava em torno 7%. Portanto, há hoje cerca de 15 milhões de pessoas que ativamente procuram um emprego, quase 8 milhões a mais do que havia em 2013, de acordo com um levantamento do ex-diretor técnico do Dieese e atual assessor do Fórum das Centrais Sindicais, que a CUT faz parte, Clemente Ganz Lúcio.

Leia também:

Pandemia agrava desigualdades sociais em cidades brasileiras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Vacinação contra Covid segura queda do PIB em agosto

Segundo Ibre/FGV, na comparação interanual, a economia avançou 4,4%.

Covid deixou 12 mil órfãos de até seis anos no país

Estudo de associação de cartórios foi feito entre 16 de março de 2020 e 24 de setembro deste ano.

Últimas Notícias

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer

RJ: R$ 7 bi em cultura, ciência e tecnologia e esporte e lazer é consequência do fato de a Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa...

Mesmo com crise modelo de privatização da Eletrobras é aprovado

Empregados e aposentados da estatal terão prioridade para comprar 10% das ações.

Conversa com Investidor: Kepler Weber (KEPL3)

Coordenação: Jorge Priori

Consertar este planeta

Por Paulo Márcio de Mello

Cidadania – garantia dos direitos: mudando paradigmas

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.