‘Crime organizado é problema de todo o Brasil’, diz governador do Rio

57
Claudio Castro (Foto: Rafael Campos/Fotos Públicas)
Claudio Castro (Foto: Rafael Campos/Fotos Públicas)

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, disse nesta terça que a presença do crime organizado não é mais um problema só do estado e pediu ajuda do Governo Federal para combater a entrada de drogas e armas no Rio.

“Está muito claro que esse não é mais um problema do Rio de Janeiro. Esse é um problema do Brasil. Não são mais organizações criminosas pontuais que estão aqui, estão ali. Não. Hoje são verdadeiras máfias alastradas pelo Brasil inteiro: Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Bahia, Rio Grande do Norte… A gente está vendo isso se alastrar a cada dia”, afirmou.

“Investigações da própria Polícia Federal e nossas, da Polícia Civil, mostram que criminosos de pelo menos 12 estados estão no Rio de Janeiro”. As declarações de Castro foram feitas depois de ele se reunir com líderes da segurança estadual no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), no centro da capital fluminense.

As autoridades coordenam ações depois que a maior milícia do estado incendiou 35 ônibus e um trem na tarde e noite de ontem. A ação criminosa foi uma represália à operação da polícia que matou Matheus da Silva Rezende, o Faustão, apontado como o número-dois na hierarquia da milícia na Zona Oeste da cidade.

Espaço Publicitáriocnseg

Cláudio Castro orientou para que toda a força policial do estado esteja nas ruas, com o uso de viaturas, carros blindados, helicópteros e drones.

O governador disse que tem um encontro marcado amanhã com o ministro da Defesa, José Mucio Monteiro Filho, para pedir ajuda das Forças Armadas no combate ao crime organizado, reforçando a vigilância em áreas federais, como aeroportos, rodovias federais e Baía de Guanabara.

“Eu já pedi ao ministro Múcio para que a gente possa garantir esse reforço, no primeiro momento, nas áreas federais. Que a gente possa impedir a entrada de arma e de droga no Rio de Janeiro”.

Castro ressaltou ainda o papel da Polícia Federal para atuar no combate à lavagem de dinheiro, como forma de “asfixiar essas máfias, e elas perderem o poder bélico”.

Apesar da articulação com autoridades federais para atuação no Rio de Janeiro, o governador descarta a necessidade de uma intervenção federal no Rio, como a que houve entre fevereiro e dezembro de 2018.

“Eu não vejo o porquê. A polícia está na rua, está agindo. Nós estamos em um diálogo profundo com as forças federais, e eles estão vendo que está acontecendo. Eu falei com o ministro da Justiça Flávio Dino duas vezes ontem. Estamos aqui fazendo o combate necessário”.

Após os incêndios criminosos de segunda-feira, 12 pessoas foram detidas. Segundo Castro, seis foram liberadas por ausência de “indício de autoria e materialidade”. Dois detidos na manhã desta terça-feira estão sendo investigados por participação nos crimes. Castro defende que os presos respondam por crime de terrorismo. Além disso, ele defende que as penas não tenham progressão de regime.

“Crime de terrorismo não pode ter a progressão de pena. A pena tem que ser 30 anos de regime fechado. Utilização de armas de guerra, a mesma coisa. Operar serviço público para tráfico, milícia, terrorismo, máfia também tem que ser um crime de 30 anos sem progressão”, ressaltou.

O governador informou que marcou uma reunião com os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para tratar de endurecimento da legislação federal.

“Ou a gente endurece a legislação como outros locais do mundo fizeram ou a gente vai ter essa mistura de México com Colômbia, como está virando o Brasil na área da segurança pública” declarou.

Apesar de lamentar a reação dos milicianos, Castro exaltou a ação da polícia no combate ao crime organizado. “Tiramos de circulação um dos maiores líderes de milícias, não do Rio, do Brasil. Um que era conhecido como o senhor da guerra deles. Era o responsável por juntar tráfico e milícia e fazer as famosas narcomilícias”.

“No Rio de Janeiro, bandido não terá vida fácil. Continuaremos lutando para tirar esses criminosos de circulação, prendê-los, mandar líderes para os presídios federais, para que eles também não comandem a criminalidade de dentro das cadeias”.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou apoio ao estado do Rio, em uma publicação nesta terça na rede social X (antigo Twitter). “Vamos compartilhar as soluções com o governo local para que o Rio possa voltar aos jornais pelas suas belezas e o que tem de melhor”, escreveu.

“Eu já conversei com o Flávio Dino e hoje vou conversar com o Múcio. Vamos usar a estrutura dos ministérios da Justiça e da Defesa para ajudar a combater o crime organizado e a milícia no Rio. Nós queremos compartilhar as soluções dos problemas dos estados com o Governo Federal”, publicou.

Nesta terça pela manhã, a circulação de ônibus na Zona Oeste da cidade está com 90% de normalização. A informação é da Rio Ônibus, o Sindicato das Empresas de Ônibus do Município do Rio de Janeiro. A marca foi atingida por volta das 9h30. Nas demais regiões, a circulação é normal.

A circulação de veículos abaixo do normal na região éreflexo da ação de milicianos que incendiaram 35 ônibus na tarde de segunda-feira (23), em reação à ação da polícia no combate a milicianos. Um homem acusado de ser líder da quadrilha foi morto.

O serviço de BRT (ônibus expressos em vias exclusivas) normalizou a operação no ramal Transoeste, que circula pelos bairros onde houve o registro de ataques criminosos. Nas primeiras horas do dia, o intervalo estava irregular. As ações violentas causaram também impactos na circulação de trens. Uma composição foi atacada na última noite. Segundo a concessionária Supervia, a circulação no ramal Santa Cruz, que atende à Zona Oeste, só passou a ter os intervalos regulares perto das 9h. Apesar de as estações entre Santa Cruz e Campo Grande terem sido reabertas, o início do tráfego se deu às 4h, mais tarde que o normal, e houve suspensão de trens especiais e expressos que operam na região.

A Secretaria Municipal de Educação informou que 20 escolas da rede estão fechadas nesta terça-feira. Já na rede estadual, as escolas estão com funcionamento normal, porém, com baixa adesão, segundo a secretaria. Na noite de segunda-feira, 12 unidades da rede do estado suspenderam aulas nas áreas afetadas, abrangendo 2,9 mil alunos.

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui