Criptomoedas derretem; para FMI, ameaça à estabilidade financeira

Bitcoin negociado abaixo de US$ 40 mil; após pandemia, criptos acompanham movimento de ações.

Nesta sexta-feira, o bitcoin, principal criptomoeda, caiu abaixo da barreira de US$ 40 mil. “O bitcoin permanece na zona de perigo e, se quebrar abaixo dos US$ 37 mil, não há muito suporte até o nível de US$ 30 mil”, analisa o analista de mercado financeiro da Oanda, Edward Moya.

As criptomoedas tiveram uma semana ruim, seguindo o que aconteceu no mercado de ações, que anda fraco com a perspectiva de alta nos juros norte-americanos.

A correlação de criptoativos com participações tradicionais, como ações, aumentou significativamente após a pandemia, o que limita seus benefícios percebidos de diversificação de risco e aumenta o risco de contágio nos mercados financeiros, de acordo com pesquisa do Fundo Monetário Internacional (FMI).

O valor de mercado desses novos ativos subiu para quase US$ 3 trilhões em novembro, de US$ 620 bilhões em 2017. Esta semana, a capitalização de mercado combinada recuou para menos de US$ 2 trilhões, ainda que represente um aumento de mais de 3 vezes desde 2017.

Antes da pandemia, bitcoin, ether e outros apresentavam pouca correlação com os principais índices de ações. Mas isso mudou. Os retornos do bitcoin não se moviam em uma direção específica com o S&P 500, o índice de ações de referência para os Estados Unidos, entre 2017 e 2019. O coeficiente de correlação de seus movimentos diários era de apenas 0,01, mas essa medida saltou para 0,36 em 2020-21, à medida que os ativos se moviam mais em sincronia, subindo ou caindo juntos.

A correlação com ações tornou-se maior do que entre ações e outros ativos, como ouro e principais moedas. Isso permite a transmissão de choques que podem desestabilizar os mercados financeiros, alerta o FMI. “Nossa análise sugere que os ativos criptográficos não estão mais à margem do sistema financeiro”, explicam economistas do Fundo, representando riscos para a estabilidade financeira, especialmente em países com ampla adoção de criptomoedas.

“Portanto, é hora de adotar uma estrutura regulatória global abrangente e coordenada para orientar a regulamentação e supervisão nacionais e mitigar os riscos de estabilidade financeira decorrentes do ecossistema de criptomoedas”, defendem os especialistas do FMI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

FIIs do Hospital da Unimed Campina Grande está sendo negociado na B3

Ativo soma-se ao portifólio de produtos que possibilitam ao investidor qualificado a diversificação de sua carteira

Últimas Notícias

Carga de energia aumentou 2,2% em abril ante 2021

ONS: Subsistema Sudeste/Centro-Oeste registra variação positiva de 4,8%.

Quatro em 10 brasileiros pretendem pedir crédito nos próximos 90 dias

Intenção atingiu maior patamar desde junho de 2021; dívidas são o principal motivo.

Healthtechs e edtechs rivalizam com fintechs por investidores

Startups de saúde e de educação se aproximam das empresas de tecnologia financeira na disputa pelos aportes

Mercados dão continuidade a movimento negativo visto desde ontem

Bolsas e commodities cedem, enquanto as curvas de juros dão um alívio; moedas são a exceção e avançam contra o dólar.

Conab aponta para safra de café em 53,4 milhões de sacas

Nos quatro primeiros meses, país já exportou 14,1 milhões de sacas de 60 kg; volume é 10,8% menor que o exportado em igual período de 2021.