Criptomoedas aprofundam perdas: entenda o motivo

Especialistas explicam que o aumento da aversão ao risco e crise das stablecoins provocaram o forte movimento de queda nos últimos dias

A queda das bolsas americanas, mais especificamente da Nasdaq, e a crise das stablecoins levou as criptomoedas a aprofundarem as perdas nesta quinta-feira. No dia, o Bitcoin chegou a ser cotado a US$ 25.845,20. A mais famosa criptomoeda do mundo chegou a atingir o menor patamar desde dezembro de 2020, mas no início da tarde passou a dar sinais de recuperação. Às 13h, horário de Brasília, a cotação se encontrava em U$ 29.504,10 (alta de 1,78% frente ao dia anterior). Já o ethereum ainda não havia conseguido reverter o movimento e registrava recuo acima de 3%.

O movimento das criptos acompanha o cenário internacional. Nos últimos dias as bolsas americanas perderam valor. Nos últimos 5 dias, a Nasdaq acumula queda acima de 4%. O comportamento do mercado está relacionado à perspectiva de maior aperto monetário nos Estados Unidos. O CPI, indicador que mede a inflação americana, registrou alta de 0,3% em abril na comparação com março e de 8,3% na comparação com o mesmo mês de 2021. O dado indica que haverá um novo aumento da taxa de juros nos EUA, o que leva os investidores a buscarem a renda fixa, em detrimento do mercado de ações.

A especialista em criptomoedas da casa de análise Top Gain, Raquel Vieira explica que há uma correlação forte entre o mercado acionário americano e o comportamento das criptomoedas. “Há um grave problema de inflação nos Estados Unidos e com a discussão em torno das taxas de juros americanas, as bolsas despencam. O mercado de cripto acompanha este movimento”, explica.

Pedro De Luca, head de Criptomoedas da Levante Ideias de Investimentos, acrescenta que o mercado cripto é visto pelos investidores como um mercado de tecnologia e, por esse motivo, a correlação muito forte com a Nasdaq. No entanto, ele não vê motivo para alarde. “É evidente que, por ser um mercado de risco, com o aumento da taxa de juros dos EUA, a Nasdaq vem caindo e o mercado vem seguindo esse movimento”, diz.

Outro fator que tem movimentado o mercado de criptos é a crise das stablecoins (criptomoedas que estão atreladas a algum ativo). Na última segunda-feira, a TerraUSD, que deveria manter a paridade com o dólar, chegou a perder quase 40% em relação ao dólar. “Por diversos motivos, e aí entra uma questão tecnológica muito complexa. A moeda perdeu a paridade com o dólar e o preço despencou, o que acabou derrubando todo o mercado como um todo. A Terra Luna, por exemplo, cai diariamente mais de 90%”, diz o head da Levante. Ele lembra que, no auge, a moeda chegou a valer US$ 120,00 e agora se aproxima de 1 centavo de dólar. “Uma coisa leva a outra e acontece essa sangria que a gente vem assistindo no mercado cripto nessa última semana”, complementa.

Leia também:

Aéreas Gol e Avianca anunciam criação de holding

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

BB DTVM lança ETF de Agronegócio na B3

Primeiro voltado para o setor de agronegócio disponível no mercado doméstico

Empresas brasileiras pagam mais a acionistas

Vale: 9° lugar no mundo, na frente da Apple

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.