Lixo: fluminense culpa má educação e baixa fiscalização

Moradores da Região Metropolitana das classes B e C entre 18 e 50 anos preocupam-se com crise ambiental, só não sabem como resolver.

Pesquisa do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, por meio do Laboratório Conexões do Clima, realizada em março e intitulada “Mudanças Climáticas e Desenvolvimento Econômico: percepções da população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro” fez um diagnóstico sobre como as classes B e C percebem os efeitos do aquecimento global em seu dia a dia. Um dos temas que mais geram preocupação é o de chuvas intensas, inundações, deslizamentos e segurança hídrica. Queimadas na Amazônia e no Pantanal também foram lembradas, mas como problemas mais distantes. As cenas dos recentes desabamentos de encostas em Petrópolis, na Região Serrana, ou a vivência de dramas pessoais, com o enfrentamento de alagamentos de ruas e casas em períodos de chuvas, tanto na Baixada Fluminense como em diferentes regiões do estado, ajudam a acentuar a ideia de que existe um risco cada vez maior para todos.

“Há uma visão de que algo grave está acontecendo, com mais desastres, chuvas mais fortes e mais frequentes, e estações do ano mais indefinidas. Apesar de não haver dentro desse grupo pesquisado uma formulação mais precisa sobre o tema, há uma percepção instintiva de que vivemos uma crise ambiental grave e que as consequências podem ser devastadoras”, explica a coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura, Tatiana Roque.

A pesquisa, realizada de forma qualitativa, reuniu oito grupos focais, cada um com oito a 10 pessoas. A partir daí, foram estabelecidas dinâmicas com debates de até duas horas de duração com cada grupo.

“Ouvimos pessoas com idades entre 18 e 50 anos das classes B e C. A pesquisa joga luz sobre um tema que muitas vezes parece não estar associado à realidade e às preocupações desse grupo. Mas concluímos que as pessoas se preocupam, sim, só não sabem como resolver”, salienta Tatiana Roque.

Um ponto de destaque do levantamento é a de que há hoje uma grande preocupação com a infraestrutura habitacional e com a melhoria da rede de saneamento. Lixo e esgoto são problemas levantados com frequência e espontaneamente. Os seguidos casos de geosmina na água também foram lembrados. Muitos lembram da Baía de Guanabara como um caso que evidencia a má educação do povo que joga lixo e polui, por um lado; e a ineficiência das políticas públicas, por outro.

“Há um entendimento de que esses problemas são reflexos da falta de cuidado com a limpeza urbana e de uma política voltada a cuidar dos resíduos em geral, que são vistos como os principais motivos para a ocorrência de deslizamentos e alagamentos. Mas há pouca esperança de que o poder público resolva o problema e as soluções elencadas são individuais na maioria das vezes”, destaca Tatiana.

A baixa fiscalização do Estado foi apontada, bem como a ausência de política habitacional. O consumo individual é superdimensionado como capaz de ajudar a resolver questões ambientais. A dimensão da desigualdade socioeconômica é forte: ainda que haja percepção de que a chuva atinge a todos, as condições para cada família proteger a si e a seus bens é desigual. Além disso, há entendimento de que famílias ricas podem restituir-se de seus bens, enquanto os pobres ficarão desprovidos de tudo.

“De modo geral, o debate climático encontra ambiente bastante receptivo entre o público pesquisado: não foram mobilizados argumentos negacionistas na amostra pesquisada. Isso está em sintonia com pesquisas quantitativas já realizadas sobre o tema. O objetivo desta pesquisa qualitativa foi relacionar esse tema com questões econômicas. Notamos um descompasso entre a percepção da complexidade e da abrangência dos problemas e a aposta em soluções microindividualizadas. Notamos uma responsabilização mediana do Estado e das empresas, mas baixa expectativa de que esses atores solucionem o problema. As principais ‘saídas’ apontadas são individuais, sem pensar em mudanças estruturais do modelo de desenvolvimento econômico: manejo de resíduos, consumo consciente e empresas sustentáveis; mas também infraestrutura habitacional e infraestrutura de saneamento”, diz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

Últimas Notícias

China emite 3,32 trilhões de yuans em títulos do governo local

Os governos locais da China emitiram mais de 3,32 trilhões de yuans (cerca de 494,8 bilhões de dólares americanos) em títulos nos primeiros cinco meses deste ano, mostram os dados do Ministério das Finanças nesta quinta-feira.

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.