Crise anunciada

Não foram necessárias nem duas semanas para provar, aos ainda crédulos, de que a elevação da Selic para 18,25% ao ano tinha tanta condição de conter a avalanche do dólar quanto o Felipão de transformar a equipe da CBF num time de futebol. Removida a cortina ideológica, cada vez mais esmaecida, defronta-se com o problema tal como ele é: o país marcha para uma crise cambial de proporções gigantescas. Deixando de lado a conversa fiada, vamos aos números. Todas as projeções apontam para um déficit nas transações correntes (comércio + serviços) de cerca de US$ 28 bilhões este ano. Para cobrir esse buraco, o governo contava com o recursos da conta de capital, na qual são contabilizados os investimentos diretos, que, em 2000, somaram US$ 30 bilhões, e, este ano, segundo as últimas projeções do Banco Central, devem se limitar a US$ 16 bilhões, se as preces de Malan ao São Mercado forem ouvidas.
Disso resulta, uma cratera de US$ 12 bilhões, a ser coberta pelas reservas cambiais do país, que estão, oficialmente, em US$ 36 bilhões, e, se forem torradas, ficarão abaixo dos US$ 25 bilhões impostos pelo acordo com o FMI. E, como costuma alertar o ex-presidente BC Afonso Celso Pastore, se inflação aleija, crise cambial mata.
Crise anunciada II
Pressionando o câmbio num momento de escassez de dólares, o país enfrentará despesas externas de US$ 20,242 bilhões neste segundo semestre, entre vencimentos de dívidas (US$ 11,620 bilhões) e encargos com juros (US$ 8,622 bilhões). Do total da dívida a vencer, a maior parte (US$ 9,877 bilhões) caberá ao setor privado, o que pode refletir-se na saúde financeira das empresas, que já enfrentam a retração econômica forjada pelo racionamento produzido pelos gênios tucanos. A dívida do setor público a ser rolada ou paga até dezembro é bem mais suave: US$ 1,743 bilhão. O setor privado também arcará com a maior parcela dos juros (US$ 5,862 bilhões), contra US$ 2,760 bilhões do setor público.
Diante dos números, a elevação de juros não tem efeito prático para nenhum dos atores envolvidos. Para empresas desesperadas por hedge, juro alto não enche a barriga que precisa rolar ou honrar a dívida a vencer e, para os especuladores enquistados, principalmente, no setor financeiro, só cria uma nova fonte de transferência do setor produtivo para rentistas parasitários.

Para FMI ver
A bandeira da estabilidade monetária como argumento econômico absoluto está cada vez mais rota. O último gol contra vem da Colômbia. Com inflação anual pouco acima de 10% ao ano, o país, pela ótica da plutocracia neoliberal, deveria ser exibido como sinônimo de estabilidade. Na vida real, no entanto, tal estabilidade transforma a simples realização da Copa América no país numa comédia bufa.

Imposto
O vereador Ricardo Maranhão (PSB-RJ) está reforçando a campanha para que os senadores aprovem projeto de lei de autoria do senador Arlindo Porto que reajusta em 51,11% os valores da dedução para cada dependente do contribuinte pessoa física do Imposto de Renda. Pelo projeto, a dedução mensal do dependente passa de R$ 90,00 para R$ 136,00 mensais enquanto o valor da dedução anual passa dos atuais R$ 1.080,00 para R$ 1.632,00. Maranhão sugere que se ligue para o serviço do Senado “A Voz do Cidadão”, através do telefone 0800 612211 (ligação gratuita) ou então que se acesse o endereço http://www.senado.gov.br/web/spo/sugestao.cfm na Internet, manifestando o apoio à aprovação desse projeto.

Piratas
A última dos camelôs do Rio de Janeiro: estão chamando os CDs piratas que vendem (três por R$ 10) de “genéricos”.

Sucata
O governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, afirmou ontem, durante visita à exposição “13 anos sem o Velho Guerreiro – Abelardo Barbosa, o Chacrinha”, na Gare D. Pedro II (Central), que não vai aceitar a devolução do Banerj podre. E garantiu que ainda vai se reunir com sua equipe econômica para decidir os rumos que irá tomar. “Querem me transformar na rainha da sucata. Não vou aceitar a devolução do Banerj podre”.

Artigo anteriorNeotroiano
Próximo artigoCusto FH
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.