30.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 15, 2021

Crise estável

A atual instabilidade do real frente ao dólar demonstra que o Brasil está retornando à esperada trajetória de “estabilidade de crise, descendo a ladeira”, ironiza o economista Reinaldo Gonçalves. Segundo ele, o ano de 1999 deve fechar com juros entre 30% a 35% ao ano, inflação de mais de 15% e dólar cotado acima de R$ 2,00. O histórico da atuação do presidente FH, nos últimos quatro anos, é que leva a essas conclusões, diz. Na análise de Gonçalves, no período os juros reais ficaram em 20% ao ano. Com a desvalorização cambial, não se pode considerar inflação menor que 15% (já está em mais de 10% pelo IGP), acrescentando-se os juros reais, constata-se que a taxa de juros chega a 35% no final do ano.

Quarentena
A Comissão de Economia da Câmara aprovou projeto do deputado Robson Tuma (PFL-SP) que cria a quarentena para quem participou de programas de privatização. Quem participar dos programas de privatização não poderá assumir emprego ligado ao setor que foi privatizado por um prazo de cinco anos. Se não evita a roubalheira, pelo menos instaura-se um pouco de moralidade.

Nefelibata
A voz rouca das ruas já ameaça despertar o tucanato da longa noite de alienação.

Sucesso verde e amarelo
O professor João Evagelista Fiorini, da Universidade de Alfenas (Unifenas), em Minas Gerais, foi escolhido pelo Centro Biográfico Internacional de Cambridge, da Inglaterra, como um dos 2 mil cientistas vivos mais importantes do século XX. Fiorini é chefe do laboratório de Biologia e Fisiologia de Microorganismos da Unifenas.

Explosivo
O jornalista Mino Carta, diretor da revista Carta Capital, advertiu que se a política econômica do ministro Pedro Malan não for mudada já, “corremos risco de convulsão social e o governo perderá o comando, com conseqüências impresíveis”. A advertência foi feita em entrevista ao programa do jornalista Giba Um que vai ao ar amanhã pela Rede Mulher.

Novo sotaque
São Paulo deixou de ser o maior produtor de café do país. A liderança agora é ocupada por Minas Gerais, que produz  1,6 trilhão de pés de café em 770 mil hectares.

Insones
Além dos parcos efeitos na tentativa de conter a cotação do dólar, o aumento da oferta de hedge em títulos atrelados à variação cambial ameaça provocar novo mega rombo nas contas nacionais. Os papéis com variação cambial já ultrapassam os R$ 100 bilhões, ou 24% da dívida mobiliária (títulos) total de R$ 434,115 bilhões. Segundo analistas, o custo do carregamento desses papéis deve ultrapassar os R$ 10 bilhões apenas durante os cinco meses que faltam para acabar o ano. Além disso, investidores escaldados com a moratória da Rússia não esquecem que, com governos insolventes, não há hedge cambial que garanta a aposentadoria do Lexotan.

Artigo anteriorSem rumo
Próximo artigoDireção
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.

Vendas no varejo surpreenderam negativamente

Surpresa foi tanto no quesito restrito (-0,1%) e no quesito ampliado (+0,6%).

Freio de arrumação

Sabe quando o ônibus está lotado e o motorista pisa fundo no freio? Logo abre espaço para mais gente entrar.

Lewandowski assume tarefa do ministro da Saúde

Supremo quer saber dos estados estoque real de agulhas e seringas.