32.4 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Crise política e Covid geram cautela aos agentes

Os mercados fecharam sem direção única na última terça-feira. Os receios em torno da Covid-19 e os ruídos políticos nos EUA fizeram os agentes terem cautela em meio à correção nas Bolsas de São Paulo e Nova Iorque.

Os mercados europeus, após abrirem com desempenho misto, encerraram o pregão majoritariamente em queda, devido aos receios em torno dos lockdowns (confinamento) que devem ser estendidos no Reino Unido. Na Itália, a possibilidade de Giuseppe Conte renunciar ao cargo de primeiro-ministro também foi um fator observado pelos investidores.

Londres perdeu 0,65%. Frankfurt teve perda de 0,08%. Paris caiu 0,20%. Milão recuou 0,33%. Na Península Ibérica, Madri e Lisboa tiveram desvalorização de 0,14% e 0,21%, respectivamente.

Não obstante ao aumento das restrições na Europa e os riscos políticos nos EUA, o petróleo fechou em alta devido ao movimento do dólar, indicando queda no mercado internacional.

O WTI teve alta de 1,84%, cotado em US$ 53,21. O Brent ganhou 1,65%, em US$ 56,58.

Em Nova Iorque, houve correção de perdas em relação aos pregões anteriores, quando as Bolsas sofreram com a instabilidade política e com o avanço da Covid-19 no país. Membros do partido democrata buscarão um projeto de direitos de pagamento dentro do pacote fiscal prometido pelo presidente eleito Joe Biden, saindo de US$ 600 para US$ 2.000, o que também animou os mercados.

O Dow Jones teve alta de 0,19%, o S&P 500 ganhou 0,04% e o Nasdaq teve valorização de 0,28%.

No Brasil, o principal indicador da B3 também resistiu aos efeitos das incertezas políticas e fiscais que ainda assolam o país. O fluxo contra o dólar e a favor do real chamou a atenção no pregão, devido ao espaço para a realização dos ganhos na moeda americana. Internamente, os agentes continuarão observando os movimentos relacionados às eleições na câmara dos deputados e, consequentemente, às possíveis aprovações de pacotes e reformas que poderão contribuir para o lado fiscal. A inflação fechou o ano acima do esperado, mas as expectativas são de que, caso o auxílio emergencial seja retirado, a inflação perderá força.

O Ibovespa revê alta de 0,60%, a 123.998,00 pontos, e o dólar caiu 3,29%, a R$ 5,32.

Na Ásia, os mercados fecharam sem direção única, influenciados pela alta em Wall Street, mas houve cautela com a retomada da Covid-19 em todo o mundo.

Na China continental, Xangai perdeu 0,27% e o Shenzhen teve perda de 1,08%.

No Japão, o Nikkei avançou 1,04%, Seul teve alta de 0,71% e Hong Kong ficou próximo da estabilidade, com ganhos de 0,02%.

Para hoje, os mercados globais começam a operar com cautela devido ao aumento dos casos de Covid-19 e aos ruídos políticos nos EUA.

No Brasil, serão feitos leilões de rolagem de swap cambial a partir das 11h30. A Conab divulgará a produção de grãos e o ministro da Saúde, Eduiardo Pazuello, fará discurso em Manas, cidade fortemente impactada pela Covid-19.

Na Europa, a Agência Eurostat publicou os números referentes à produção industrial para o mês de dezembro. Após a alta de novembro, o mercado esperava queda de -3,3% ao ano e, ao mês, o indicador saindo de -2,1% e alcançando -0,2% no último mês do ano – tendo em vista o cenário atual, com a ampliação de medidas mais severas em relação à contenção da Covid-19. Todavia, o indicador superou as expectativas, alcançando queda de -0,6% ao mês e de -2,5% ao ano. O destaque, segundo o relatório, foram os bens intermediários para que o resultado superasse as projeções.

Quanto ao discurso de Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), a banqueira ainda considera continuar com os estímulos da flexibilização quantitativa (quantitative easing – QE), caso seja necessário, e que os confinamentos dentro de alguns países do grupo devem continuar até o fim do primeiro trimestre do ano. Lagarde também considera necessário um euro digital e a regulação do bitcoin.

No Brasil, após o indicador de inflação divulgado ontem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicará o avanço do setor de serviços para novembro. Devido ao avanço no número de casos da Covid-19, alguns governos começaram a restringir o horário das atividades, fazendo com que as expectativas em relação ao setor de serviços sejam menores quando comparado com o mês anterior, saindo de 1,7% para 1,0%.

Nos EUA, o Bureau of Statistics divulgará os números referentes à inflação do mês de dezembro. O fato de a atividade econômica americana ser heterogênea faz com que os serviços tenham forte impacto para que o índice de inflação do país não suba, tendo em vista que boa parte da demanda não teve força para se recuperar ao longo do ano, corroborando para o argumento em torno da retomada em “K” e da necessidade de estímulos.

Os agentes, para o núcleo do indicador, esperam avanço de 0,1%, contra 0,2% no mês anterior, acumulando alta de 1,6% no ano. Para o indicador amplo, considerando todos os bens, o mercado projeta avanço de 0,4% em dezembro, ante 0,2% no mês anterior, além de acúmulo de 1,3% no ano.

Os agentes também aguardarão as notícias em torno do Livro Bege, que traz consigo as expectativas e pareceres dos formuladores de política monetária dos EUA.

.

Nova Futura Investimentos

Leia mais:

Mercado financeiro de nuvem da China cresce no primeiro semestre

Mercado financeiro prevê queda do IPCA de 4,38% para 4,37%

 

Artigos Relacionados

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.