Cristão novo

É inadmissível que, apenas oito anos depois da farsa das “armas de destruição em massa” no Iraque, a ONU respalde a tentativa dos Estados Unidos de travestir de “ação em defesa da democracia” o voluptuoso apetite das petrolíferas estadunidenses pelas reservas líbias – as maiores da África. Não fossem os antecedentes da invasão ao Iraque, bastariam os longos e fraternos laços das sucessivas administrações do país com as mais brutais ditaduras do Oriente Médio e da África para deslegitimar qualquer tentativa de invasão da Líbia pelos Estados Unidos.

Seletividade, não!
Por isso, fez bem a ministra de Direitos Humanos do Brasil, Maria do Rosário, em seu discurso de estréia na ONU, em, ao lado de reafirmar a tradição do país de defesa dos direitos humanos como valores universais, advertir que o governo brasileiro não compactuará com “condenações seletivas” nem “a politização” nessa matéria. Significativamente, a mídia tupiniquim, caudatária da sua congênere estadunidense, viu no discurso da ministra uma mudança de rumo na política externa brasileira em relação ao Governo Lula.

“Disclosed”
Com o fim da gestão original da Daslu, será que a Daspu também vai mudar, não de dona, mas de razão social? Diferentemente de quando adotou o nome numa referência à loja de madames e sofreu a ameaça de processo, agora, pode ser que o estabelecimento mantido por uma ONG de prostitutas é que não queira manter a associação.

Conta
O Governo do Paraná continua pagando mensalmente – e assim o fará até pelo menos 2030 – R$ 60 milhões ao banco Itaú, que fez o “favor” de ficar com o Banestado no ano 2000.

No ar
Os aeroportos brasileiros receberam, em janeiro, 6,7 milhões de passageiros em vôos nacionais e 869 mil de pessoas vindas do exterior. Esses números representam crescimento, respectivamente, de 17,6% e de 14,6%, em relação ao mesmo mês de 2010. Em janeiro do ano passado, os vôos regulares e não regulares domésticos transportaram 5,7 milhões de passageiros e os internacionais, 758 mil pessoas, incluindo residentes e não residentes no Brasil, segundo dados da Infraero.

Flexibilização
A declaração de líderes europeus, que pensam em dar calote no pagamento de petróleo importado da Líbia, lembra a música Mil Perdões, de Chico Buarque, aquela que termina com os versos “Te perdoo / por te trair”.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVerba
Próximo artigoContábil

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico