Crivella inelegível até 2026 por abuso de poder político

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) tornou o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) inelegível por oito anos, por abuso de poder político. A sessão realizada nesta quinta-feira (24) foi continuação do julgamento iniciado na última segunda-feira (21), que foi interrompido por pedido de vista do desembargador recém-chegado Vitor Marcelo Rodrigues, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro no final do mês passado, havia pedido vistas do processo.

Com o voto favorável ao do relator, dado logo no início da sessão, o resultado ficou em 7 x 0 contra o prefeito do Rio, condenado pela realização de um evento político ocorrido em 2018, quando funcionários públicos foram levados em carros oficiais.

Crivella foi acusado de abuso de poder político e conduta vedada por conta de um evento realizado na Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), em 2018, com funcionários da companhia, no qual o seu filho, Marcelo Hodge Crivella, foi apresentado como pré-candidato a deputado federal (embora não tenha ganho). A ação apresentada pela Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) e pelo PSOL levou em consideração os fatos de veículos oficiais terem sido utilizados, de terem sido pedidos votos para o filho do prefeito e do próprio Crivella ter agradecido ao presidente da Comlurb por ajudar seus candidatos, destaca o G1.

O prefeito também foi condenado ao pagamento de multa no valor de R$ 106 mil. A condenação à inelegibilidade pelos próximos oito anos conta a partir de 2018.

A prefeitura se manifestou em nota, adiantando que o prefeito vai recorrer da decisão, alegando conflito de interesse entre um dos desembargadores que participou da votação e a empresa Lamsa, concessionária da Linha Amarela.

"O prefeito Marcelo Crivella vai recorrer da decisão, e estuda um pedido de anulação da votação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), visto que um dos desembargadores, Gustavo Alves Pinto Teixeira, votou, mas é, ao mesmo tempo, advogado da Lamsa – a concessionária contra a qual o prefeito luta na Justiça para pôr fim ao preço exorbitante do pedágio na Linha Amarela. O advogado Gustavo Teixeira havia se declarado impedido de votar, mas mudou de posição, apesar do conflito de interesses entre a sua cliente, Lamsa, e o prefeito. Cabe destacar que o prefeito Crivella não está, de forma alguma, impedido de disputar as eleições, e vai concorrer à reeleição", diz a nota.

 

Com informações da Agência Sputnik e da Agência Brasil

Artigos Relacionados

Cidade do Rio tem mais mortes do que nascimentos pelo 7º mês seguido

No Estado também cai a diferença entre nascimentos e mortes em março

Preço do m² em Copacabana pode variar até R$ 15 mil

Quanto mais próximo à praia, mais caro é o metro quadrado na Rua Figueiredo de Magalhães, Zona Sul do Rio.

Rio reabre hoje bares, restaurantes e comércio não essencial

Duas semanas após feriados, casos e mortes crescem no estado; já São Paulo teve redução no número de casos depois do superpausa saintária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.

Equador: Não haverá contagem rápida no domingo de eleições

Arauz, candidato do ex-presidente Rafael Correa lidera as pesquisas com 37% das intenções de voto contra 30% do candidato do Aliança Creo, o banqueiro Guillermo Lasso.

Indicador econômico global mantém trajetória de recuperação

Segundo FGV, fato reflete avanço das campanhas de vacinação contra a Covid.

Brasil movimentou R$ 2 tri em transações com cartões em 2020

Transações digitais foram impulsionadas por modernização do mercado e pandemia.

IPCA de março variou abaixo da expectativa do mercado

Nossa projeção para o ano que vem permanece de 6,5%, podendo ser antecipada para este ano.