Custo Brasil

O custo do quilowatt/hora da hidrelétrica do Rio Madeira – portanto, energia nova, e não usinas antigas já amortizadas – ficará em US$ 33 (cerca de R$ 80). Dá para se ter uma noção do lucro astronômico que terá Furnas e seus parceiros privados, já que no leilão de energia nova, no final do ano passado, os preços cobrados ficaram na casa de R$ 120/kWh, projetando novos aumentos recordes no bolso do consumidor.

Mães
Tramita na Comissão de Direitos Humanos do Senado um projeto de lei, de autoria da da senadora Patrícia Saboya (PSB-CE), que prevê a ampliação da licença-maternidade de quatro para seis meses em troca de benefícios para a empresa que aderir à proposta. Na opinião da advogada trabalhista Silvia Maria Munari Pontes, do Trevisioli Advogados Associados, o momento não é oportuno para implantação do projeto, devido a uma possível discriminação velada à mulher no mercado de trabalho. A advogada destaca que em relação à licença-maternidade, o Brasil está à frente de países como Estados Unidos, que dá o benefício por três meses, e Alemanha, que tem três meses e meio de licença. Já na Finlândia, o benefício pode chegar a três anos – só os primeiros meses são remunerados, mas a empresa é obrigada a manter a vaga da funcionária.

Papo cabeça
Um cliente da Vivo que, ainda em 2005, ligou para a empresa para esclarecer dúvidas sobre sua conta foi convocado por uma indefectível gravação a declinar os motivos do seu telefonema, para, supostamente, facilitar o atendimento. Depois de explicar por duas vezes suas razões, foi informado pela voz mecânica que o atendimento fora encerrado e instado a dar-lhe uma nota. Na segunda tentativa, adaptou sua resposta ao padrão da empresa e, indagado sobre suas razões, apontou motivos mais prosaicos: “Gostaria apenas de conversar com alguém, saber como é que vai ficar o tempo no Rio, só coisas da vida.” Ato contínuo, foi atendido por uma funcionária real, à qual expôs as razões que sonegara à empregada virtual.

Antigo e funciona
A virada de 2005 para 2006 confirmou uma tradição que já remonta há cerca de uma década: quem tenta desejar votos de feliz ano novo a parentes e amigos usando celulares das operadoras instaladas no país só consegue fazê-lo – após muitos apelos aos deuses – cerca de duas horas depois da meia noite. Aos milhares de brasileiros que insistem em fazer seus votos em tempo real restou um backup, tão antigo quanto funcional: o cartão telefônico. Esta coluna testemunhou casos em que, após pelo menos meia hora de espera em vão ao celular, os brasileiros conseguiram concluir suas ligações usando apenas um orelhão e o cartão telefônico. O único pré-requisito é que a ligação fosse para telefone fixo.

Babalorixás em recesso!
A promessa do ministro do Desenvolvimento, Luiz Furlan, de não mais fazer previsões para o câmbio, por não ter emplacado qualquer uma delas, é o tipo do serviço de utilidade pública que deveria ser seguido pelos palpiteiros de plantão, principalmente, os instalados no mercado financeiro e no seu entorno. Depois de preverem que o país cresceria, ao menos, 4,5% em 2005 e serem desautorizados por um avanço que chegará, no máximo, a 2,5%, continuar a sustentar projeções panglossianas é, no mínimo, desrespeito à inteligência do grande público.

Mas…
Apesar da promessa do ministro, nota do Ministério do Desenvolvimento sobre a balança comercial começa assim: “Mesmo com a valorização do real frente ao dólar (…)”

Perdido no Planalto
A última entrevista de 2005 do presidente Lula reafirmou um ponto fundamental: Lula não tem a menor noção de como vai se defender na campanha eleitoral sobre as acusações a respeito do escândalo do mensalão. Afinal, presidente que se diz esfaqueado por autores de atos gravíssimos, no mínimo, está sujeito à acusação de prevaricação, se não der nomes aos bois. A não ser, por óbvio, se os bois, ao serem nomeados, mugirem coisas desagradáveis.

Artigo anteriorFeliz 2006
Próximo artigoAusteridade boliviana
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.