Custo ortodoxo

Apresentados como defensores da responsabilidade fiscal, a dupla Levy–Meirelles, ex e atual ministro da Fazenda, vão completar ano que vem, de acordo com as projeções oficiais, R$ 400 bilhões de rombo nas contas públicas (R$ 116 bilhões em 2015 podem ser debitados a Levy, R$ 170 bilhões este ano e a previsão de R$ 100 bilhões para 2017 ficam na conta de Meirelles). O número deve ser ainda pior, pois a queda na arrecadação deve se prolongar em 2016 e no ano que vem.

Nem Levy nem Meirelles podem ser acusados (infelizmente) de implantar políticas keynesianas. O déficit não ocorre por conta de investimentos do setor público para puxar a recuperação da economia. Com poucas exceções (como o aumento de salário de alguns servidores públicos e obras como o Minha Casa Minha Vida) o dinheiro não contribuirá para aquecer a demanda. Muito pior é o déficit que realmente importa, o nominal, que inclui o pagamento de juros. Mas isto é assunto para outro dia.

Salvar Cunha… não tem preço

Se confirmado que o parecer sobre o recurso do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha, alivia o pedido de cassação aprovado no Conselho de Ética, começará a sair das sombras o acordão que visa não só a manter Michel Temer no poder, como evitar que Cunha se interesse por uma delação premiada.

Não deixa de ser significativo que se ventile em Brasília que a Procuradoria Geral da República (PGR) não aceitaria um acordo com o presidente afastado. Também chama a atenção que, diferentemente de outros casos, o juiz Sérgio Moro não tenha decretado a prisão da mulher de Cunha, apesar de Cláudia Cruz não ter direito a foro especial. Em situações muito menos graves, empresários e políticos (do PT) foram presos e estimulados a delatar.

Código Comercial

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto de lei para a criação do Código Comercial (PL 1572/11) deve votar, nesta quarta-feira, o parecer do relator-geral, deputado Paes Landim. O deputado federal e vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Laércio Oliveira, ressaltou a importância dessa iniciativa para os empresários.

Investimento portuário

Luciana Cardoso Guerise assume a partir deste mês a função de diretora-executiva da Associação dos Terminais Portuários Privados (ATP). Após um período no Canadá, Guerise desembarca em Brasília com uma visão mais aprimorada sobre gestão portuária.

A executiva atua no setor desde meados de 2003. Ela passa a conduzir os assuntos técnicos da entidade ao lado do diretor-presidente, Murillo Barbosa. Guerise vai comandar a produção de análises do cenário econômico nacional e internacional e os impactos de médio e curto prazo no setor portuário brasileiro, entre outras funções.

A ATP, que agora tem em seu quadro de executivos a Luciana Guerise, sem dúvida, vai desenvolver um trabalho de maior robustez para o aprimoramento do setor, estimulando à competitividade e a construção de um ambiente favorável ao investimento”, destaca Murillo Barbosa.

Caranguejo

A receita dos seguros do tipo não vida (automóvel, residencial, transportes etc) regrediu cinco anos, voltando aos níveis de 2009/2010, mostra estudo anual da resseguradora Swiss Re, que compara os mercados de seguros em todo mundo. Os acontecimentos dos últimos dois anos (recessão, desvalorização cambial etc) explicam o recuo, afirma o consultor Francisco Galiza.

Em 2015, o país ocupava a 12ª colocação do ranking entre os países, com 1,6% do total do faturamento mundial.

Editorial

A Folha de S.Paulo publicou, no site do UOL, a chamada “Juiz bloqueia R$ 103 mi de Paulo Bernardo e João Vaccari”. Quem lia pensava: “Como estes petistas roubaram, já que têm tanto dinheiro na conta bancária”. Porém, a matéria não sustentava o título. Na realidade, o juiz determinara o bloqueio das contas dos dois e mais outros envolvidos na Operação Custo Brasil até que se chegasse ao total mencionado no título, o que não significa que têm o dinheiro e bens neste montante.

Não satisfeita, a Folha colocava, no primeiro parágrafo, entre as contas bloqueadas, a do Partido dos Trabalhadores, apesar de desde 27 de junho ela já ter sido liberada pelo juiz, pois o bloqueio seria ilegal. A matéria , que poderia ter sido corrigida, só informava isso ao leitor mais adiante. Informação isenta e responsável é isso aí.

Rápidas

A Escola de Negócios da PUC-Rio e a Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RJ) realizam o evento “Ecos do Congresso RH-Rio 2016” no próximo dia 14, às 19h15, no auditório da Escola. Participarão do encontro a neurocientista, professora e pesquisadora Carla Tieppo e o diretor da Dedix Consultoria Empresarial Giuseppe Russo. A entrada será uma lata de leite em pó. Informações: [email protected] *** O Shop4Help lançará dia 11 o cartão de benefícios BenCard que, além de trazer benefícios para os clientes (haverá quatro sorteios mensais de R$ 10 mil, por exemplo), vai gerar doação para as mais de 90 ONGs já apoiadas pelo site.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorA agenda interina
Próximo artigoConhecimento na lata do lixo

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.