Custo

O Rio de Janeiro foi o estado que teve o mais alto índice de inflação, medida pelo IPCA, desde o Plano Real até agora. A média nacional foi de 167,21%; no Rio ficou em 180,37%. São Paulo ficou abaixo da média, com 162,86%

Fracasso
Como até economistas do “mercado” e integrantes do governo FH estão criticando o Plano Real, alguns colunistas (seriam as “penas alugadas” citadas pelo ministro Ciro Gomes?) se esmeram, nos últimos dias, em elogios ao plano. Tarefa difícil. A principal “conquista” citada é a estabilidade da inflação, ficção já desmontada por economistas, que mostram que o que há é queda de demanda – que impede preços de produtos competitivos de subirem – e, no início do plano, o congelamento cambial – que inundou o país de produtos artificialmente mais baratos que os que aqui produzidos.
A desindexação da economia não passa de um fetiche – ela continua, só que apenas para uns privilegiados. Se precisasse de maior exemplo, a correção das tarifas de telefonia pelo IGP-DI, decidida ontem pelo STF, serviria. No Plano Real, não incluindo este último reajuste, a inflação acumulada do setor de comunicações foi de 538,81%; o IPCA no período foi de 167,21%.
Já a renda média real dos trabalhadores caiu de R$ 706, em 1995, para R$ 636, em 2002 (último dado disponibilizado pelo IBGE).

Aliança
O presidente do PMDB fluminense, Moreira Franco, garante que as negociações com o PDT em torno de uma aliança para disputar a prefeitura da capital não se encerraram após a morte de Leonel Brizola. Garante o ex-deputado que as conversas continuam, mesmo tendo – até agora – o PMDB escolhido o ex-prefeito Conde para candidato, assim como o PDT lançou o nome do ex-governador Nilo Batista. Uma chapa Conde-Nilo, portanto, não pode ser descartada – apesar do fraco potencial de votos.

Crédito para pequenas
Apresentar os conceitos de gerenciamento de crédito para pequenas empresas e pessoas físicas é o objetivo do curso Riscos de Crédito, que a Associação e o Sindicato dos Bancos do Rio de Janeiro programaram para os períodos de 12 a 15 e 19 a 22 de julho. O professor é Luis Geraldo Mendonça, mestre em Gestão Empresarial pela FGV, ex- diretor Adjunto de Crédito do Citibank, professor na UFF, UFRJ e FGV. Informações pelos telefones (21) 2253-1538 e 2203-2188 ou e-mail [email protected]

Veneno
O Sindicato dos Metalúrgicos do Rio não gostou da oferta feita pela Cobra Tecnologia de um Plano de Demissão Incentivada (PDI) aos seus 440 funcionários. Segundo Maurício Ramos, presidente do sindicato, “é, no mínimo, imoral” que em fase de crescimento a empresa queira reduzir o quadro de funcionários, quando tem mais de 2 mil terceirizados. Ele lembra ainda que o faturamento da empresa saltou, em menos de três anos, de R$ 150 milhões para mais de R$ 1 bilhão. A Cobra, que é vinculada ao Banco do Brasil, deu prazo até o próximo dia 9 para a adesão, garantindo que não haverá demissões involuntárias. A empresa oferece até 18 meses de plano de saúde, mais um terço do salário-base por cada ano trabalhado e R$ 1 mil, além das indenizações previstas na CLT.

Estudo
A Fundação Getúlio Vargas (FGV) começa a realizar hoje a pesquisa encomendada pela Embratur para a terceira edição do boletim de desempenho econômico do turismo, um raio-X do setor, que analisa o sentimento da cadeia produtiva do turismo em relação ao trimestre anterior e ao posterior. Até agosto deste ano o conjunto de pesquisas terá analisado um período de 12 meses. Estão sendo enviados questionários a 6,5 mil remetentes de todo o       Brasil, com perguntas referentes aos níveis de limite e expansão dos seus negócios, a serem respondidas até 24 de julho. Nesta edição, estão sendo entrevistadas as categorias: hotelaria; agências de viagens; organizadores de eventos; operadoras; turismo receptivo e restaurantes.

Pegadinha
O supermercado Extra continua com uma prática que, infelizmente, é comum no setor: anuncia nas prateleiras produtos em promoção e, quando o consumidor chega no caixa, descobre que o preço é outro, maior, e que a promoção só valia para um item escondido no canto da gôndola.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCasa única
Próximo artigoInovação

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...