Céu nublado

O ministro Clóvis Carvalho, cartesiano que é, abrirá a torneira do BNDES para a aviação comercial brasileira, mediante amargas condições: a Varig deverá ser obrigada a demitir em massa, cortar gorduras e, se for preciso, profissionalizar a administração; a Vasp, se quiser apoio, provavelmente vai ter de voar menos para o exterior, concentrando-se nas rotas da Espanha, Alemanha e Bélgica, além de apresentar um plano estratégico a ser aprovado e seguido à risca; e a Transbrasil será pressionada para ser absorvida pela Vasp ou pela TAM. O comandante Rolim também não ficaria sossegado: para entrar no “Proar”, teria de encerrar suas aventuras internacionais. Garantem fontes do setor aeronáutico que os vôos para Paris e Miami, com aproveitamento inferior a 30%, estão minando a liquidez da empresa.
Fatos&Comentários, página 2

Artigo anteriorOportunidades
Próximo artigoPerigosa mágica
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.

OMS pede redução de desigualdades no acesso à higiene das mãos

Organização destaca que pandemia mostrou dramaticamente a importância da prática na redução do risco de transmissão.