Céu nublado

O ministro Clóvis Carvalho, cartesiano que é, abrirá a torneira do BNDES para a aviação comercial brasileira, mediante amargas condições: a Varig deverá ser obrigada a demitir em massa, cortar gorduras e, se for preciso, profissionalizar a administração; a Vasp, se quiser apoio, provavelmente vai ter de voar menos para o exterior, concentrando-se nas rotas da Espanha, Alemanha e Bélgica, além de apresentar um plano estratégico a ser aprovado e seguido à risca; e a Transbrasil será pressionada para ser absorvida pela Vasp ou pela TAM. O comandante Rolim também não ficaria sossegado: para entrar no “Proar”, teria de encerrar suas aventuras internacionais. Garantem fontes do setor aeronáutico que os vôos para Paris e Miami, com aproveitamento inferior a 30%, estão minando a liquidez da empresa.
Fatos&Comentários, página 2

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorOportunidades
Próximo artigoPerigosa mágica

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Diminuem os homicídios, mas ainda há muito a se fazer

Por Dirceu Cardoso Gonçalves.

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços