28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Dívida pesada detona gastos públicos brasileiros

Os gastos do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), detalhados esta semana pelo Tesouro, mostram um país único: a despesa do Brasil com juros é cinco vezes maior que a dos países desenvolvidos e 3,5 vezes superior ao das nações emergentes. A conta de juros leva quase 10% do PIB brasileiro. Traduzindo em reais, foram R$ 576,8 bilhões em 2017. Se o Brasil gastasse a mesma média dos emergentes, esta conta cairia para R$ 160,5 bilhões. Uma diferença de R$ 416,3 bilhões. Em apenas um ano!

Ah, mas a culpa dos problemas fiscais brasileiros é da Previdência. Os dados do Tesouro mostram que o país empregou 13,08% do PIB em todos os gastos de proteção social em 2017. Para comparação com outros países, o Tesouro usou dados de 2016, os mais recentes disponíveis. Neste ano, o Brasil usou o equivalente a 12,7% do PIB, enquanto as economias avançadas gastaram 8,2%, assim como o G20, e as nações emergentes, 7,6%. A média de 53 países selecionados pelo Tesouro é de 8%.

Em dinheiro, foram R$ 792,9 bilhões em valores correntes de 2016. Se o percentual fosse similar ao das economias avançadas (já que nossa Previdência é bem robusta, comparado a outras nações em desenvolvimento), a despesa cairia para R$ 511,9 bilhões. Uma redução de R$ 281 bilhões.

Fechando as contas: se o Brasil tivesse juros similares aos dos países emergentes, poderia financiar a Previdência com folga, ainda que seguisse gastando como se fosse um país nórdico. Já o contrário, se arrochasse os aposentados e continuasse pagando juros como um país em crise, ainda assim faltariam mais de R$ 100 bilhões para cumprir suas obrigações.

 

Ano melhor

O ano que termina foi melhor do que 2016 e 2017 para as empresas familiares no Brasil. A análise da receita histórica demonstrou que 56% das companhias que participaram de pesquisa feita pela KPMG disseram ter aumentado a receita no último semestre, enquanto 25% mantiveram, e 19% informaram ter sofrido queda.

Em 2016, 35% sofreram redução na receita e 41% conseguiram aumentar; em 2017, foram 32% e 46%, respectivamente.

Os números de 2018 estão alinhados com a pesquisa feita pela consultoria na Europa, em que as companhias informaram que cresceram em faturamento (57%) ou o mantiveram (27%) em relação ao ano anterior.

Não pensem que empresas familiares significam pequenos negócios. Quase 20% das pesquisadas faturam mais de R$ 1 bilhão (67% tiveram receita superior a R$ 499 milhões). São empresas tradicionais: 42% têm mais de 40 anos.

 

Apressado

O site Poder360 publicou no Twitter que o PLP 459/2017, que trata da securitização da dívida dos estados e municípios, havia sido aprovado pela Câmara. Alarme falso. O projeto não foi votado, e fica para o ano que vem. O post foi apagado.

O PLP 459 é um escândalo, como mostrou Maria Lucia Fattorelli, da Auditoria Cidadã, em entrevista a esta coluna.

 

Paz na Serra

Depois de meses de crise política e econômica, Teresópolis, na Região Serrana do Rio, desfruta seis meses de relativa tranquilidade, após a destituição do prefeito e a eleição de Vinicius Claussen para um mandato de dois anos e meio.

Três licitações na área de saúde realizadas no município não tiveram concorrentes. Após resolvido o imbróglio político e saneadas as contas, apareceram 16 empresas para participar do pregão mais recente, que foi transmitido pelo YouTube.

 

Sob o sol da Califórnia

Na Califórnia (EUA), os investimentos em geração distribuída e eficiência energética trouxeram uma economia de US$ 2,6 bilhões aos moradores, com o cancelamento de 20 projetos de transmissão e redução de 21 projetos de reforço de rede. Ambos seriam necessários, caso a energia elétrica fosse trazida de fora das cidades para atender os consumidores, porém a geração distribuída solar fotovoltaica instalada pelos consumidores supriu grande parte da nova demanda por eletricidade e evitou ou aliviou estes custos para todos os consumidores, afirmam a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

 

Procura-se Queiroz

Duas semanas se foram e o assessor/amigo/motorista da Família Bolsonaro não deu as caras. Para não depor no MP, alegou problema de saúde. Cada vez mais parecido com o chefe do clã.

 

Rápidas

O Conselho Diretor da Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) elegeu nesta quarta-feira seu novo presidente: o advogado Renato Cury *** O Carioca Shopping terá um Clubinho da Virada especial em 29 e 30 de dezembro, para crianças de 1 a 10 anos, das 14h às 20h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.