Dando asas

A programação visual do novo logo da Eletrobrás equivaleu a um choque elétrico no bolso do contribuinte: custou cerca de R$ 5 milhões. Nas cores azul, verde e amarelo, o novo símbolo da empresa, exibido esta semana pela Veja, remete à imagem de um tucano. Não é uma boa escolha. Afinal, tucano está mais para analogia com apagão do que para uma empresa que se pretende a Petrobras da energia.

Razões
As tentativas de minimizar o encolhimento do PIB do país em 2009 e que unem petistas e economistas financistas têm um ponto em comum: buscar blindar a medíocre política econômica. Afinal, foi justamente a flexibilização dos principais fundamentos, como juros, superávit primário e carga tributária, que permitiram ao Brasil sentir menos profundamente a crise. E, neste ponto, o presidente Lula pode, de fato, dizer que, diferentemente de FH, na crise, não ajudou a contrair a economia, mas trabalhou pela expansão. Resta saber se, nesse período de vazante, o país vai ser vitimado por nova recaída na ortodoxia.

Beira-mar
Almoçar fora de casa é mais caro nas cidades litorâneas. Assim pensa quem vê o resultado de pesquisa feita pela Sodexo e pela associação que reúne as empresas de vale refeição (Assert). O Rio de Janeiro é a segunda cidade mais cara para se comer fora: R$ 20,39, em média, quase R$ 2 a mais que na capital paulista (R$ 18,97). Acima do Rio, só outro município à beira-mar: Santos, com gasto médio para almoçar de R$ 20,75. Vitória (ES) fica com a terceira posição (R$ 20,35), à frente até de Brasília, cidade de alto poder aquisitivo, onde a despesa média fica em R$ 20,13. Come-se mais barato no Sul: R$ 15,40, em média. A pesquisa foi realizada junto a 3.224 estabelecimentos que operam com tíquetes em todo o território nacional e o preço incluiu prato principal, bebida (não alcoólica), sobremesa e cafezinho.

Cobrança
O Contact Center do CDL-RJ conquistou a cobrança das dívidas atrasadas da Light. A empresa de distribuição de energia tem R$ 600 milhões a receber.

Crédito
O prefeito do Rio, Eduardo Paes, tenta surfar na produção do desenho animado em 3D Rio, de Carlos Saldanha (de Era do Gelo), que está sendo feito nos Estados Unidos e conta uma história que se passa na Cidade Maravilhosa. Quando Paes chegou à Prefeitura, a idéia do desenho já existia.

Cabral disse “xõ”!
Em entrevista, sexta-feira, o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) aconselhou o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), a não se fiar apenas no veto do presidente Lula ao projeto que modifica radicalmente a distribuição dos roylaties sobre a produção de petróleo. Para Ciro, é fundamental Cabral se dedicar a articulações para negociar nova redação no Senado. E criticou a ação do governador durante o processo, acusando-o de ter sido agressivo, inclusive, com aliados em potencial: “Já diz o ditado: quem quer pegar galinha, não diz “xô””, comparou Ciro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPrejuízo e prejuízo
Próximo artigoDesperdício

Artigos Relacionados

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis