De olho na Eletrobras, setor privado não investe

Ação da estatal vale quase metade do que valia há 11 anos.

A discussão sobre a privatização da Eletrobras parece ignorar que tanto o modelo mercantil, quanto o setor privado “tiveram uma performance pífia e exerceram um papel repleto de problemas que fragilizou a estatal”, alerta o engenheiro Roberto Pereira D’Araujo, diretor do Instituto Ilumina.

Ao anunciar a privatização da Eletrobras na década de 90, explica D’Araujo, os investimentos em novas usinas foram paralisados. A razão estrutural do racionamento que houve na época foi esse desinteresse. Após o apagão, no período de 1999 até 2004, a expansão chegou a ser formada de 70% de térmicas.

Os dados sobre o mercado livre, de 2003 até 2012, mostram que esse grupo de consumidores, que já representa 30% do total, não investiu em expansão nem para suas próprias necessidades. “Dada essa outra ausência de investimentos, outra expansão apressada de térmicas foi implantada e, mais uma vez, de 2008 até 2013 a expansão chegou a registrar 70% da expansão em térmicas”, afirma o especialista.

D’Araujo acrescenta outro dado que depõe contra a venda: em janeiro de 2010, uma ação da Eletrobras (ELET3) valia R$ 21, equivalente a US$ 11,80. Hoje, vale R$ 36, mas em dólar a cotação caiu para US$ 6,5, quase a metade do que valia há 11 anos.

Nesta sexta-feira, parlamentares, representantes do governo, especialistas e dirigentes sindicais debateram, na Câmara dos Deputados, os efeitos da Medida Provisória 1031/21, sobre a privatização da Eletrobras. A MP é considerada inconstitucional pelo PT e Psol.

O pesquisador do Grupo de Economia da Energia da Universidade Federal do Rio de Janeiro Ronaldo Bicalho avaliou que a privatização da Eletrobras é uma medida radical e extemporânea e, por fim, ultrapassada. “Ninguém hoje no mundo acredita que a transição energética será feita pelo mercado”, disse.

A diretora do Ilumina Clarice Ferraz alertou ainda que a privatização da Eletrobras está sendo discutida antes de definição sobre o marco regulatório do setor diante das mudanças climáticas e das novas formas de energia limpa e renovável.

Leia também:

Três perguntas: a desestatização da Eletrobras e os seus esqueletos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido

Bancos elevam projeção da carteira de crédito para 2022

Nova revisão foi puxada pela carteira com recursos livres

Últimas Notícias

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Adquirir conhecimento é a chave para investir melhor

Para economista, medo é o mesmo sentimento que se tem do desconhecido