Deduções fiscais suspeitas fazem Rio perder R$ 10 bi em royalties

ANP não fiscaliza empresas desde 2014.

Deduções fiscais suspeitas podem ter levado o Estado do Rio de Janeiro a perder em torno de R$ 10 bilhões nos últimos dez anos em arrecadação de participações especiais. O dado foi apresentado pelo secretário de estado de Fazenda (Sefaz), Guilherme Mercês, durante reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa (Alerj) que investiga a queda na arrecadação do estado de receitas compensatórias da exploração de petróleo e gás.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que deveria fiscalizar as concessionárias, não abriu nenhuma fiscalização para dedução de despesas desde 2014, afirmou Mercês, que reforçou a necessidade de que a pasta seja autônoma e possa fiscalizar os repasses. “Nos últimos 9 meses, nós conseguimos abrir 10 fiscalizações junto às concessionárias”, assinalou.

Segundo o secretário, é fundamental o acesso às informações das deduções feitas pelas concessionárias de forma detalhada e transparente. “Nós queremos saber os custos por campo nos últimos 10 anos. A ANP não exigia dados importantes, o que permitia que a concessionária apresentasse dados por blocos e não por campo. Isso gera uma perda significativa das participações especiais e pode ter representado uma perda de R$ 9,8 bilhões nos últimos 10 anos”, destacou o secretário.

O objetivo do encontro foi cobrar a execução do convênio determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) entre a Sefaz e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para a fiscalização da arrecadação de receitas compensatórias da exploração de petróleo e gás no estado. O assessor da diretoria da ANP, Rubens Cerqueira, se limitou a colocar a instituição à disposição para uma atuação fiscalizatória conjunta.

O deputado Alexandre Freitas (Novo) enfatizou que, apesar da necessidade de conciliação, o desinteresse da ANP na fiscalização dos repasses feitos pelas concessionárias é condenável. “Eu fico indignado com o fato de que o ente responsável pela fiscalização tenha demonstrado tanto desinteresse nos últimos anos. A queda na arrecadação gera impactos diretos na saúde fiscal do nosso estado”, lamentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fed lista prós e contras da moeda digital do Banco Central

Meio de pagamento seguro para empresas e famílias, mas pode representar ameaça à estabilidade financeira.

Criptomoedas derretem; para FMI, ameaça à estabilidade financeira

Bitcoin negociado abaixo de US$ 40 mil; após pandemia, criptos acompanham movimento de ações.

Consultoria em que Moro trabalhou ganhou 75% com empresas da Lava Jato

Segundo revista, Alvarez & Marsal faturou R$ 42,5 milhões com honorários de companhias investigadas.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...