Defesa ou ataque?

Um “bastão da polícia militar” útil para “autodefesa” nem aparecia entre os 5 mil itens mais vendidos na Amazon britânica. Em 24 horas, pulou para a lista dos 100 mais, revela reportagem da agência de notícias Reuters. As vendas de tacos de beisebol e cassetetes aumentaram mais de 5.000% na loja online no Reino Unido desde o início das manifestações que movimentam a noite do país.

Procuram-se estadistas
A histeria que se instalou nas bolsas mundiais, além de fazer a alegria dos especuladores com os ganhos permitidos por oscilações abissais em intervalos curtos de tempo, é apenas a ponta do iceberg da nova etapa da crise que se avizinha. Apenas três anos depois do estouro da primeira fase, os responsáveis por coordenar o combate à crise recorrem aos mesmos ineficientes remédios: em lugar de aumentar os controles sobre os xiitas do mercado financeiro, bancos centrais e governos aumentam a oferta de dinheiro para os bancos como quem oferece droga para acalmar viciados.
O resultado é duplamente danoso. Ao mesmo tempo em que o dinheiro público e barato não é repassado ao crédito das empresas e das pessoas, serve para financiar e alavancar novos movimentos especulativos, preferencialmente, em países que oferecem a explosiva combinação de juros reais elevados, num mundo de taxas negativas, e ausência de controle de capitais.
O aumento do endividamento dos Estados provocado pelo financiamento do cassino mundial leva a rodadas seguidas de contenção de gastos públicos não financeiros, que derrubam o consumo e, et por cause, a arrecadação. Em lugar de mudar o modelo, seus ideólogos exigem “mais sacrifícios” – dos outros, naturalmente – para que os governos continuem a bancar suas dívidas, o que mantém e agrava a asfixia das economias centrais e exporta capitais especulativos para a periferia.
Para romper esse ciclo vicioso e temerário, mais do que mudar a lógica do modelo, é essencial trocar os paradigmas hegemônicos que capturaram os que, ainda, comandam o processo. Em outras palavras, mais importante do que ampliar a liquidez, é trocar as marionetes do setor financeiro enquistados nos aparelhos de Estado por estadistas.

Teles
Como combater o déficit na balança comercial de telecomunicações, previsto para mais de US$ 33 bilhões este ano?. Para debater este tema e outros com empresários e a sociedade, o secretário executivo do Ministério das Telecomunicações, Cesar Alvarez, faz palestra no Clube de Engenharia (Av. Rio Branco, 124), no Rio, na próxima sexta-feira.

Ensanduichados
De olho no mercado de feiras e eventos, a empresa carioca de mini lanches Ki Doguinho contratou 50 funcionários, com o objetivo de preparar até 20 mil lanches por hora. Caso a meta seja alcançada, representará a inacreditável média de 400 lanches por funcionário a cada hora, ou 6,6 por minuto.

Sem licitação
O ex-prefeito do Rio Cesar Maia corrobora o que esta coluna afirmou sobre a aproximação do fim da concessão da Ponte Rio-Niterói, em 2015. “Seus concessionários se antecipam e apresentam umas obras que agora se dispõe a fazer, para ter como compensação a prorrogação da concessão sem licitação”, disse Maia. “O TCU poderia entrar em campo e de forma antecipada impedir a operação”, defendeu.
A concessionária CCR Ponte é a que tem a maior lucratividade no país, com margem de lucro líquido de impressionantes 25%.

Trajetória
A Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR) completa 57 anos. Entidade privada, sem fins lucrativos, já ajudou na reabilitação de mais de 370 mil pessoas; atende a 1,3 mil pacientes por dia; fornece 12 mil produtos ortopédicos todos os anos.

De olho aberto
Ao longo dos últimos cinco anos, 382 lanchonetes e pastelarias por todo o Estado do Rio de Janeiro passaram a ter como proprietários empresários orientais (chineses, coreanos etc.). Eles estão concentrados, principalmente, no Rio de Niterói. Também estão mostrando milenar conhecimento na produção de pastéis e caldo de cana nas regiões Serrana e dos Lagos. Tem gente já preocupada com o destino da Confeitaria Colombo.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorSem graça
Próximo artigoPeça de ficção

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Funcionalismo público: críticas e realidade da categoria

Por Relly Amaral Ribeiro.

Scheer Churrasqueiras dobra vendas na pandemia

Empresa lançou 25 itens em sua linha residencial.

RJ terá receita extra de R$ 100 bilhões

Uma receita extra de R$ 100 bilhões nos próximos dez anos é o que prevê o governo do Estado do Rio de Janeiro com...

Forte recuperação do seguro Viagem

O seguro Viagem continua a mostrar recuperação depois de um forte período de quedas devido à pandemia da Covid-19 e às restrições impostas como...

CNseg aponta vetores de impacto da economia nos próximos meses

Os vetores prós e contra o crescimento do PIB do país em 2021 e em 2022 são relacionados na nova edição (nº 56)...