Defesa ou ataque?

Um “bastão da polícia militar” útil para “autodefesa” nem aparecia entre os 5 mil itens mais vendidos na Amazon britânica. Em 24 horas, pulou para a lista dos 100 mais, revela reportagem da agência de notícias Reuters. As vendas de tacos de beisebol e cassetetes aumentaram mais de 5.000% na loja online no Reino Unido desde o início das manifestações que movimentam a noite do país.

Procuram-se estadistas
A histeria que se instalou nas bolsas mundiais, além de fazer a alegria dos especuladores com os ganhos permitidos por oscilações abissais em intervalos curtos de tempo, é apenas a ponta do iceberg da nova etapa da crise que se avizinha. Apenas três anos depois do estouro da primeira fase, os responsáveis por coordenar o combate à crise recorrem aos mesmos ineficientes remédios: em lugar de aumentar os controles sobre os xiitas do mercado financeiro, bancos centrais e governos aumentam a oferta de dinheiro para os bancos como quem oferece droga para acalmar viciados.
O resultado é duplamente danoso. Ao mesmo tempo em que o dinheiro público e barato não é repassado ao crédito das empresas e das pessoas, serve para financiar e alavancar novos movimentos especulativos, preferencialmente, em países que oferecem a explosiva combinação de juros reais elevados, num mundo de taxas negativas, e ausência de controle de capitais.
O aumento do endividamento dos Estados provocado pelo financiamento do cassino mundial leva a rodadas seguidas de contenção de gastos públicos não financeiros, que derrubam o consumo e, et por cause, a arrecadação. Em lugar de mudar o modelo, seus ideólogos exigem “mais sacrifícios” – dos outros, naturalmente – para que os governos continuem a bancar suas dívidas, o que mantém e agrava a asfixia das economias centrais e exporta capitais especulativos para a periferia.
Para romper esse ciclo vicioso e temerário, mais do que mudar a lógica do modelo, é essencial trocar os paradigmas hegemônicos que capturaram os que, ainda, comandam o processo. Em outras palavras, mais importante do que ampliar a liquidez, é trocar as marionetes do setor financeiro enquistados nos aparelhos de Estado por estadistas.

Teles
Como combater o déficit na balança comercial de telecomunicações, previsto para mais de US$ 33 bilhões este ano?. Para debater este tema e outros com empresários e a sociedade, o secretário executivo do Ministério das Telecomunicações, Cesar Alvarez, faz palestra no Clube de Engenharia (Av. Rio Branco, 124), no Rio, na próxima sexta-feira.

Ensanduichados
De olho no mercado de feiras e eventos, a empresa carioca de mini lanches Ki Doguinho contratou 50 funcionários, com o objetivo de preparar até 20 mil lanches por hora. Caso a meta seja alcançada, representará a inacreditável média de 400 lanches por funcionário a cada hora, ou 6,6 por minuto.

Sem licitação
O ex-prefeito do Rio Cesar Maia corrobora o que esta coluna afirmou sobre a aproximação do fim da concessão da Ponte Rio-Niterói, em 2015. “Seus concessionários se antecipam e apresentam umas obras que agora se dispõe a fazer, para ter como compensação a prorrogação da concessão sem licitação”, disse Maia. “O TCU poderia entrar em campo e de forma antecipada impedir a operação”, defendeu.
A concessionária CCR Ponte é a que tem a maior lucratividade no país, com margem de lucro líquido de impressionantes 25%.

Trajetória
A Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR) completa 57 anos. Entidade privada, sem fins lucrativos, já ajudou na reabilitação de mais de 370 mil pessoas; atende a 1,3 mil pacientes por dia; fornece 12 mil produtos ortopédicos todos os anos.

De olho aberto
Ao longo dos últimos cinco anos, 382 lanchonetes e pastelarias por todo o Estado do Rio de Janeiro passaram a ter como proprietários empresários orientais (chineses, coreanos etc.). Eles estão concentrados, principalmente, no Rio de Niterói. Também estão mostrando milenar conhecimento na produção de pastéis e caldo de cana nas regiões Serrana e dos Lagos. Tem gente já preocupada com o destino da Confeitaria Colombo.

Artigo anteriorSem graça
Próximo artigoPeça de ficção
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Economia da China expande 18,3% no trimestre

A economia da China cresceu anualmente 18,3% no primeiro trimestre de 2021, à medida que as fortes demandas doméstica e externa impulsionaram a recuperação...

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.