Delivery de comida cresceu 66% em 2020 na América Latina

Brasileiros têm momento de maior preocupação com consumo saudável desde o começo da pandemia.

‌‌O distanciamento social imposto pelas regras sanitárias da pandemia ajudou a impulsionar o mercado das entregas de comida por delivery na América Latina. Essa é uma afirmação do relatório “Transformação Digital na América Latina – 2021”, conduzido pelo fundo de venture capital Atlantico, que traça as principais mudanças com a digitalização em diversos setores nos países latino-americanos.

De acordo com o estudo, as entregas de comida por aplicativos cresceram 66% em 2020, em comparação aos números de 2019. O setor movimentou o total de US$ 72 bilhões no último ano, diferente dos US$ 43 bilhões do ano anterior.

O documento ainda ressalta que o setor de alimentos está passando por uma migração gradual do hábito de compras offline para o online. No mundo todo, 25% dos entrevistados já preferem fazer as suas compras de mercado online, seja para entrega em casa ou para retirada na loja. Desse total, 63% aumentaram suas compras de mantimentos online após o distanciamento social e 86% estão mais propensos a manter esse comportamento para o período pós-pandemia.

A comodidade das entregas por aplicativo têm atraído cada vez mais compradores com o passar dos anos. Ifood, no Brasil, e Justo, no México, têm sido os grandes destaques na América Latina”, explica o managing partner do Atlantico, Julio Vasconcellos.

O mercado de compras pela internet no varejo também tem tido um grande peso nos últimos anos, principalmente por uma particularidade: o domínio e fortalecimento de três principais empresas em cada um dos países latino-americanos. De acordo com o relatório, em 2019 elas representavam 30% das movimentações no varejo. Esse número aumentou e, em 2020, já representa 37% do total.

No Brasil e na Argentina o domínio é maior ainda. Em 2020, 64% das movimentações no varejo brasileiro aconteceram pelo Mercado Livre, Magalu e B2W. Na Argentina esse percentual é ainda maior: 75%, com domínio do Mercado Libre, Garbarino e Fravega. O cenário no México é o inverso, com apenas 34% das movimentações acontecendo em três empresas: Mercado Libre, Amazon e Walmart.

Essa alta também vem sendo registrada nas compras feitas em lojas internacionais em toda a América Latina, equiparando com os dados do comércio eletrônico doméstico. A Taxa de Crescimento Anual Composta das compras feitas nos e-commerces estrangeiros tem sido de 12%, enquanto no doméstico tem sido de 11.5%.

Em 2018, foram gastos US$ 178 bilhões no e-commerce, com 83% sendo no mercado doméstico e 17% no internacional. A expectativa é de que neste ano os valores alcancem a casa dos US$ 230 bilhões, sendo 86% no mercado doméstico. Já em 2023, os consumidores latino-americanos devem gastar US$ 307 bilhões em e-commerce, voltando ao patamar de 83% no mercado doméstico.

Já o estudo Consumer Insights, da Kantar, apontou que no início da pandemia, 33% dos brasileiros disseram ter aumentado o consumo de legumes, verduras e hortaliças, sendo que 67% planejavam manter o novo hábito no futuro. Ao longo das fases de isolamento social, entretanto, o consumidor foi se adaptando às novas rotinas de consumo e as ocasiões de saudabilidade foram se transformando.

O levantamento mostra que no 2º trimestre de 2021 a busca por alimentos mais nutritivos e saudáveis voltou a ganhar relevância, especialmente nas horas do lanche, retomando níveis vistos no período pré-pandemia. Ocasiões com necessidade de saudabilidade cresceram 15% entre os brasileiros em relação ao mesmo período do ano passado.

Essa tendência foi impulsionada principalmente pela adoção de dietas, com índice 27% superior ao segundo trimestre de 2020, com consumidores entre 35 a 44 anos e mais de 45 anos fazendo maior contribuição a esse crescimento. A necessidade de um consumo mais saudável, vinculada à busca por alimentos mais nutritivos, foi liderada por lares com crianças e adolescentes de até 18 anos, com um aumento de 9,1% em ocasiões de consumo.

Vale dizer que a percepção do conceito de saudabilidade muda entre as classes sociais. Enquanto nas classes AB a busca por uma alimentação saudável inclui consumo de frutas, saladas, legumes, nuts, granola e iogurte, nas classes CDE abrange arroz, feijão, cereais infantis, leite em pó e sucos/vitaminas caseiras. Com a alta dos preços este ano, viu-se a volta do consumo de alimentos básicos e mais saudáveis, como arroz, feijão e saladas.

O brasileiro tem consciência e preferência por uma alimentação mais saudável, mas o preço ainda é uma barreira ao consumo desse segmento para 35% dos consumidores, segundo o relatório Who Cares Who Does 2020, da Kantar. O fator renda x preço é a nova variável que vai afetar a velocidade e as escolhas mais saudáveis dos consumidores.

Leia também:

Delivery impulsionou venda de veículos de entrega

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Atividade do comércio cai 1,2% em abril

Retração foi liderada pelo setor de Veículos, Motos e Peças, com baixa de 4,2%.

Gasolina registra terceira alta seguida e inicia maio a R$ 7,55

Etanol fecha o período a R$ 6,15, alta de 3,69% em relação a abril, e não registra recuo em nenhuma região do país.

Leme é o bairro com aluguel mais caro no Rio; em São Paulo, Itaim Bibi

Depois de quase dois anos, a taxa de imóveis vazios disponíveis para aluguel no Rio e à espera de um inquilino voltou ao patamar...

Últimas Notícias

Criação de mais um monopólio privado regional

Recurso de petroleiros contra decisão do Cade sobre venda da Reman

Restrição do Fed pode impulsionar a saída de capital dos países da AL

Sinalizou uma política monetária mais restritiva em meio às expectativas de inflações mais altas

Setores fortemente impactados com a pandemia reagem na Bolsa

Alta é influenciada pelo anúncio da reabertura gradual da China

China está confiante na recuperação econômica

Produção de carvão bruto, petróleo bruto e gás natural aumentou 10,7%, 4% e 4,7%, respectivamente, ano a ano

B3 lança fundo para investir em startups

Nova frente nasce com capital de R$ 600 milhões