Delúbio liberal

De acordo com o levantamento Às Claras 2004, da Transparência Brasil, que disseca o financiamento das campanhas municipais de 2004, o quinto maior doador das candidaturas do PFL naquele ano foi o Comitê Financeiro Único do PT, que despejou R$ 723.169,39 nos cofres pefelistas.

Fator punitivo
Tramita na Câmara o Projeto de Lei 6188/05, do deputado Ivan Ranzolin (PFL-SC), que extingue o fator previdenciário no cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição e por idade. Pelo fator, quanto menor o tempo de contribuição e a idade, menor o valor da aposentadoria. Acontece que, com o aumento da expectativa de vida a cada ano, o sistema virou apenas uma fórmula de reduzir o valor da aposentadoria ou obrigar o segurado a permanecer na ativa indefinidamente. Em 1999, quando foi criado, o fator era neutro, isto é, igual a 1, quando a aposentadoria ocorresse aos 35 anos de contribuição para os segurados com 59 anos de idade.
Ranzolin ressalta, porém, que a tabela de mortalidade divulgada em 1 de dezembro de 2003, referente ao ano de 2002, trouxe variações “bruscas e perversas” aos segurados que estavam prestes a completar os requisitos para a aposentadoria. O resultado foi um aumento médio de 11,80% para a expectativa de sobrevida. Em conseqüência, o fator previdenciário e a renda do benefício diminuíram, em média, 9,72%.
O deputado lembra ainda que, nos casos de aposentadoria aos 60 anos para as mulheres e aos 65 anos para os homens, verificou-se aumento de 18,84% na expectativa de sobrevida e redução de 15,84% no fator previdenciário e na renda do benefício. Com isso, para obter um fator previdenciário igual a 1, o segurado que contasse com 35 anos de contribuição deveria, a partir de 2 de dezembro de 2003, ter 63 anos de idade na data da aposentadoria. O projeto será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Burocracia
O comércio exterior brasileiro clama por serviços mais eficientes e menos onerosos para dar continuidade ao ritmo ascendente das compras externas de nossos produtos. O resultado é que não se encontra um segmento econômico satisfeito. Todos criticam a caótica situação das estradas, portos e hidrovias, afirmou o diretor executivo do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado do Rio de Janeiro (SindaRio), Milton Tio. Dossiê feito pela Comissão dos Portos para o Ministério dos Transportes aponta descontrole gerencial das estatais portuárias e propõe a privatização da gestão das companhias docas do país. O SindaRio defende a proposta. “Seria uma alternativa para eliminar o controle político das ações”, afirma Tito.

Mérito
Sérgio Bacci, secretário de Fomento para Ações de Transporte do Ministério dos Transportes, é o próximo homenageado no Happy Hour Empresarial da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB Rio). Ministro informal da navegação, Bacci estará dia 13 no Restaurante Panorâmico, Centro do Rio.

Espelho
A informação, publicada no MM, de que a dívida pública interna engordou R$ 356,5 bilhões, indo de R$ R$ 623 bilhões para R$ 979,6 bilhões, nos três primeiros anos do Governo Lula – incremento médio de R$ 118,8 bilhões por ano, 2,76 vezes superior à soma do Orçamento da Educação e da Saúde para 2005 – confirma ser correta a imagem reivindicada pelo presidente Lula de que “não tem cara da Zona Sul nem da Avenida Paulista”. De fato, com essas prioridades, o Governo Lula tem a cara de Washington ou da city londrina.

Motor chinês
Os principais parceiros comerciais do Rio de Janeiro, em 2005, foram os Estados Unidos, com 16,6% das exportações e 22,5% das importações. Mas a participação da China mais que dobrou de 2004 para o ano passado: com pauta diversificada, os chineses respondem por 8,4% das exportações fluminenses, ante 3,9% em 2004. Arábia Saudita, Iraque e Nigéria aparecem entre os principais parceiros para importação, por causa do petróleo.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Suíça é ponte para exportações à Rússia

Vendas do País que lava mais branco aos russos cresceram mais de 80% desde fevereiro.

Homens pintam melhor que mulheres?

Não, mas recebem 10 vezes mais por obra.

Rio tem opções de áreas para termelétricas

Estado tem as melhores características na Região Sudeste, diz Wagner Victer.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.