Demanda por crédito cresce 20% em 2021

A demanda por crédito registrou expansão de 20% entre janeiro e dezembro do ano passado

INDC mostra que alta foi puxada por Serviços, mas todos os segmentos tiveram desempenho positivo em 12 meses

A demanda por crédito registrou expansão de 20% entre janeiro e dezembro do ano passado. No acumulado dos 12 meses, o destaque ficou com o segmento de Serviços, cuja alta foi de 92%. Varejo vem em seguida, com 36%; e Bancos e Financeiras, 8%. É o que revela o Índice Neurotech de Demanda por Crédito (INDC), que mede o número de solicitações de financiamentos nos segmentos de Varejo, Bancos e Serviços.

“Em um período de crise econômica, o crédito mantém uma expansão robusta entre seus diversos segmentos, reforçando o importante papel que desempenha para evitar uma situação ainda mais caótica e ajudar no processo de retomada”, diz o diretor de Produtos e Sucesso do Cliente da Neurotech, Fabio Kruzich.

Em dezembro, houve aumento de 11% na busca por empréstimos na comparação com igual mês de 2020. Na base mensal, em relação a novembro, a alta foi um pouco mais modesta, de 2%.

O indicador mostra ainda que Serviços mantém sua uma trajetória de alta, com aumento de 106% em dezembro passado frente a dezembro de 2020. Na comparação mensal, porém, a contribuição do Varejo também pesou no índice, com crescimento de 22%, após três meses de quedas consecutivas. Os destaques ficaram por conta de Vestuário (81%), Lojas de Departamento (80%) e Supermercados (9%).

“Esse incremento da busca por crédito neste segmento é bem comum no mês de dezembro, com os consumidores aproveitando as promoções das festas de final de ano e gastando um pouco mais com os presentes de Natal”, afirma Kruzich.

Serviços, por sua vez, registrou expansão de 19% na comparação com novembro. Bancos e instituições financeiras tiveram desempenho negativo de 9%, na mesma base de comparação.

Para Kruzich, trata-se de um movimento sazonal esperado pelo segmento financeiro. “Estamos vendo a realidade bater à porta e a demanda se arrefecer, mas é esperada uma retomada a partir de janeiro, o que também é um movimento sazonal”, completa.

Frente a janeiro de 2020 – período referência antes da pandemia –, em dezembro foi mantida a trajetória de recuperação, com expansão de 47%, e desempenho positivo de todos os segmentos: Bancos e financeiras (8%), Serviços (358%) e Varejo (78%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Perfil de risco visto pelas corretoras

Uso do Questionário de Perfil de Investidor, chamado de suitability, que tem como função identificar seu apetite de risco

Diretor do Grupo Nubank cumpre novo mandato na Anbima

Permanecerá na vaga de conselheiro titular reservada à Anbima no Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional

Ampliar volume de interfaces para atrair investidor pessoa física

Em janeiro, a B3 somava 5 milhões de contas PF abertas em corretoras

Últimas Notícias

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.