Depois de fatiar Petrobras, Bolsonaro quer ‘finalizar’ privatização

Governo quer vender ações e deixar de ser acionista majoritário.

O Brasil ocupa a 23ª posição em reservas mundiais de petróleo e gás, com um volume de 16 bilhões de barris equivalentes de petróleo. Também deve superar as expectativas de produção de petróleo em 2022, fato que deverá sair na revisão do Plano Decenal de Expansão de Energia 2030 até fevereiro. Na versão atual espera-se 3,4 milhões de barris por dia até o fim do próximo ano.

Mesmo com o conhecimento de tão expressivos números o governo Bolsonaro, ao justificar mais um aumento nos preços de combustíveis, voltou a ameaçar, pela segunda vez em uma semana, a possibilidade de privatização da petroleira, um tema que sempre esteve nos planos do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Segundo informações da CNN Brasil, o governo planeja apresentar projeto de lei que permite que a União venda ações ordinárias e preferenciais da Petrobras, abrindo mão de ser a acionista majoritária da estatal. Já a agência Reuters relatou que Bolsonaro disse que a privatização da Petrobras “entrou no radar”, em entrevista a uma rádio do Mato Grosso do Sul.

“Isso entrou no nosso radar. Mas privatizar qualquer empresa não é como alguns pensam, que é pegar a empresa botar na prateleira e amanhã quem der mais leva embora. É uma complicação enorme. Ainda mais quando se fala em combustível. Se você tirar do monopólio do Estado, que existe, e botar no monopólio de uma pessoa particular, fica a mesma coisa ou talvez até pior”, disse Bolsonaro à rádio Caçula, de Três Lagoas (MS). Ele esqueceu de dizer que não existe mais monopólio da Petrobras tanto na exploração como no refino dos combustíveis.

É bom lembrar que o PPI, criado em 2016 pelo então presidente Michel Temer e mantido pelo governo Bolsonaro, serve de forma deliberada para favorecer os importadores de combustíveis, com a diretoria da empresa atuando como facilitadora, reduzindo a produtividade de suas refinarias e as colocando à venda. Ao comemorar nesta segunda-feira cinco anos de existência, essa política de preço de paridade de importação fez, determinou mais um reajuste, acumulando alta dos combustíveis muito acima da inflação, em todas e quaisquer comparações. Com isso, somente neste ano, já são, nas refinarias, 12 aumentos na gasolina, 13 no diesel e 8 no GLP. A disparada no preço dos combustíveis é um dos fatores que mais pesam na inflação, que já passou de 10,2% nos últimos 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Número de inadimplentes subiu 4,8% no acumulado do primeiro semestre

Cartão de crédito é responsável por mais de 80% dos brasileiros endividados.

Vale testa caminhões de 72 toneladas 100% elétricos

Veículos serão usados nas operações da mineradora em Minas Gerais e da Indonésia

Últimas Notícias

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.