Depois do frango, a soja

Lobby do agrotóxico ganha espaço, e Rússia ameaça suspender importação.

A Rússia anunciou nesta semana que suspenderá a importação de soja do Brasil caso não sejam respeitados os limites de agrotóxicos determinados pela legislação daquele país. A nação comandada por Vladimir Putin é a sétima maior importadora da soja brasileira, ficando atrás da China, Espanha, Holanda, Turquia, Irã e Tailândia. Em 2018 as importações russas somaram US$ 450 milhões.
É o segundo revés do agronegócio brasileiro desde a posse do novo governo. Em 21 de janeiro, a Arábia Saudita barrou a importação de carne de frango de cinco dos 30 frigoríficos que exportavam para o país. A alegação foi de “critérios técnicos” não especificados, mas não se descartou que a proibição foi uma retaliação ao anúncio feito pelo Governo Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém.
O professor Marcos Pedlowski, da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), afirmou, em entrevista à RBA, que medidas semelhantes à dos russos deverão ser tomadas por outros países. “Se a Rússia, que é mais permissiva com agrotóxicos, sinaliza assim, a União Europeia será quase que forçada a seguir.”
Autoridades russas comunicaram a detecção de traços de glifosato em carregamento de soja proveniente do Brasil. Segundo o Ministério da Agricultura brasileiro, “os níveis detectados são mais de cem vezes inferiores (sic) aos limites acordados no Codex Alimentarius e não constituem, portanto, risco à saúde”.
No Brasil, o limite máximo permitido é de 10 ppm (partes por milhão), inferior ao definido no Codex Alimentarius (20 ppm), mas superior ao estabelecido pelas autoridades russas, que é de 0,15 ppm. “As autoridades brasileiras iniciaram processo de averiguação e investigação interna e estão em contato permanente com suas contrapartes russas, de modo a evitar solução de continuidade”, garante o Ministério.
O lobby do veneno ganhou muito espaço no novo governo. Em janeiro foram liberados 28 agrotóxicos e princípios ativos, entre eles, o Sulfoxaflor, “que já foi banido nos Estados Unidos e agora só pode ser usado por lá em condições altamente controladas”, disse o professor Pedlowski, que também é colaborador do Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais da Universidade de Lisboa.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Governo complica quem precisa de dinheiro

“Meu governo não tem aumento de imposto. Reforma sim, sem aumento de imposto”. A afirmação foi feita há menos de 3 meses pelo presidente,...

Renda dos autônomos é apenas 76% da habitual

Houve queda de 6,6% no segundo trimestre.

Para Febraban, aumento do IOF dificulta recuperação da economia

Publicado no DOU aumento do IOF; novas alíquotas serão aplicadas de 20 de setembro a 31 de dezembro.

Últimas Notícias

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do...

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...