Deputados brasileiros gastam 62% a mais que setor privado

Congresso é o segundo Legislativo mais caro do mundo, ficando atrás apenas dos EUA.

O Congresso é o segundo Legislativo mais caro do mundo, ficando atrás apenas dos EUA. É o que aponta levantamento da plataforma VExpenses. Somando os valores da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, os custos são de quase R$ 30 milhões por dia, mesmo em finais de semana e feriados. O preocupante é que a Lei Orçamentária Anual prevê que deveriam somar quase R$ 6,3 bilhões, enquanto que o Senado R$ 4,5 bilhões.

O estudo da VExpenses realizado em junho teve por base o Portal da Transparência para comparar os valores dos gastos comuns entre setor público e privado. Além disso, a empresa também buscou analisar as diferenças apresentadas pelos valores dos gastos do setor público em 2021 em comparação com as mesmas despesas realizadas em 2020.

De acordo com o levantamento, no período de janeiro a maio deste ano, os deputados brasileiros apresentaram um gasto médio geral 62% maior do que os executivos do setor privado, dentro das nove categorias consideradas na pesquisa. Os gastos médios do setor privado utilizados para essa análise foram levantados pela startup junto a 1.423 empresas de todas as cinco regiões do país.

As maiores diferenças aparecem nos gastos com passagens terrestres, marítimas ou fluviais, e despesas com locação ou fretamento de veículos automotores. Nestas categorias, o setor público apresentou um gasto médio 82,4% e 78,8% mais caro, respectivamente, do que o setor privado.

Já o custo assumido pelo setor público nas categorias de combustíveis/lubrificantes teve um valor médio 38,7% mais alto do que as mesmas despesas do setor privado. O mesmo ocorreu com os gastos de hospedagem e passagem aérea, que apresentaram valor médio 15,7% e 24,3% mais caros, respectivamente, do que o pago pelos executivos do setor privado.

Além de comparar os gastos entre os setores público e privado, o VExpenses ainda analisou a evolução dos gastos dos deputados em 2021 em relação a 2020. As despesas de hospedagem e passagem aérea foram as que registraram as maiores altas em valores totais, quando comparado os gastos nos primeiros cinco meses do ano de 2020 e 2021. As altas foram de 12,7% para combustíveis/lubrificantes, 24,7% para hospedagem e 24,3% nas passagens aéreas.

Além disso, entre os deputados brasileiros, o gasto médio com o fornecimento de alimentação e serviços de táxi, pedágio e estacionamento em 2021 foi 30,4% e 12,1% maior do que em 2020, passando de R$ 69,77 para R$ 90,96; e R$ 33,78 para R$ 37,86, respectivamente.

O aumento do valor dessas despesas em 2021 evidencia, novamente, um gasto 51,6% e 37,4%, respectivamente, maior para os deputados em detrimento das empresas particulares. Outra categoria que representa bem essa discrepância são os serviços postais, onde os executivos do setor privado também tiveram gastos 52,7% menores do que os deputados estaduais e federais.

È prescrito em lei que os deputados recebam uma quantia mensal, além do salário, que gira em torno de R$ 33,7 mil para cobrir custos administrativos. Essa cota, chamada de Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), gira em torno de R$ 21 mil e R$ 44,2 mil por mês para cada deputado.

Comparativo dos gastos parlamentares entre janeiro a maio de 2020 e 2021, o gasto médio com combustíveis e lubrificantes passou de R$ 269,50 para R$ 271,53, registrando um aumento de 0,8%; o gasto médio com fornecimento de alimentação passou de R$ 69,77 para R$ 90,96, registrando um aumento de 30,4%; o gasto médio com hospedagem passou de R$ 278,36 para R$ 282,37, registrando um aumento de 1,4%; o gasto médio com locação ou fretamento de veículos automotores passou de R$ 4.388,63 para R$ 4.461,36, registrando um aumento de 1,7%; o gasto médio com passagem aérea na modalidade reembolso passou de R$ 1.093,71 para R$ 1.349,17, registrando um aumento de 23,4%; o gasto médio com passagens terrestres, marítimas ou fluviais passou de R$ 111,57 para R$ 92,02, registrando uma queda de 17,5%; o gasto médio com serviço de táxi, pedágio e estacionamento passou de R$ 33,78 para R$ 37,86, registrando um aumento de 12,1%; o gasto médio com serviços postais passou de R$ 183,60 para R$ 165,59, registrando uma queda de 9,8%; e o gasto médio com telefonia passou de R$ 231,22 para R$ 226,15, registrando uma queda de 2,2%.

Leia também:

Um ano antes de eleição, TSE abre código-fonte de urnas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Brasil registra 12.211 órfãos de Covid até 6 anos de idade

Cartórios do Rio registram quase 800 órfãos de Covid até seis anos de idade.

Professores não são valorizados mas sentem orgulho da profissão

Educadores entendem que exercem papel importante para a transformação social do país.

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...