Deputados são eleitos vices, mas não tomam posse

Duas cidades da Baixada Fluminense estão sem vice-prefeito por conta de manobras políticas dos eleitos. Em São João de Meriti, o deputado estadual Valdecy da Saúde (PTC) foi eleito vice-prefeito na chapa do Dr. João, mas não tomou posse. Ele preferiu continuar na Alerj. Em Nova Iguaçu, o deputado federal Juninho do Pneu (DEM) conseguiu transferir sua posse para janeiro de 2023, quando acaba seu mandato de deputado. Seguiu a cartilha do hoje secretário estadual de Saúde, Comte Bittencourt (Cidadania), que foi eleito vice-prefeito de Rodrigo Neves em Niterói em 2016, mas conseguiu articular com a Câmara Municipal o adiamento da sua posse, permanecendo como deputado estadual.

Márcio Canella (foto Alerj)
Márcio Canella (foto Alerj)

Irmão assume como vice

Curiosa é a história do deputado estadual Márcio Canella (MDB). Ele foi eleito vice do prefeito Waguinho (MDB), em Belford Roxo, em 2016, mas não tomou posse, preferiu manter o mandato de deputado estadual. Meses depois, Canella se licenciou da Alerj para assumir a secretaria municipal de Governo de Belford Roxo. Na última eleição, a vaga de vice de Waguinho, que foi reeleito, foi ocupada por Marcelo Canella, irmão do deputado. Resta saber se Márcio Canella vai continuar na Alerj ou se reassume a secretaria em Belford Roxo.

 

Deputada tentou ser vice

Ainda sobre a eleição da Mesa Diretora da Alerj na semana passada, a deputada Tia Ju (REP) ocupava a segunda vice-presidência na legislatura anterior, mas deixou o cargo quando se licenciou para ser secretária de Assistência Social no Governo Crivella. Voltou em janeiro disposta a reassumir o cargo. Não conseguiu e chegou a ameaçar ir à Justiça para barrar a reeleição de André Ceciliano (PT). Acabou desistindo e aceitou continuar na Mesa Diretora, só que no cargo de segunda-secretária. Voltou algumas casinhas, mas está feliz.

Martha Rocha (foto Alerj)
Martha Rocha (foto Alerj)

Testagem de alunos contra a Covid-19

A deputada Martha Rocha (PDT) quer a testagem de todos os alunos da rede estadual de Educação, pública e privada, contra a Covid-19 antes do reinício das aulas presenciais. Ela afirma que se trata de uma medida indispensável para conter o avanço da doença e para dar mais tranquilidade aos pais. A proposta terá que ser votada logo em plenário porque o início do ano letivo no estado está marcado para o início de março.

 

Fim da xepa na vacinação

Se depender do deputado Delegado Carlos Augusto (PSD), a fila da “xepa da vacina” está com os dias contados. Todos os dias têm se formado filas nos pontos de vacinação contra a Covid-19. São pessoas fora do grupo prioritário na esperança de receber as doses que sobram no frasco no final do expediente. O deputado apresentou projeto de lei na Alerj destinando essas sobras aos profissionais de segurança. “Sobrou vacina, tem que ligar para a delegacia ou batalhão da PM mais próximos chamando para a vacinação”, diz o parlamentar.

Leia mais:

André Ceciliano despachará do novo endereço da Alerj

Senadores querem prisão para os fura-filas

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Acesso à água e gênero

O amplo acesso ao líquido e ao saneamento poderia retirar cerca de 635 mil mulheres da pobreza.

É proibido proibir

Todos sem máscara, como se não fosse obrigatório.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.