Deputados vão discutir propostas para o déficit habitacional no Brasil

Estatuto da Cidade criou uma série de instrumentos visando a alcançar o desenvolvimento urbano sustentável.

A Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados vai instalar nesta quarta-feirauma subcomissão permanente para discutir o déficit habitacional e a falta de infraestrutura nas periferias das cidades brasileiras.

A criação do colegiado foi proposta pelo deputado Alex Manente (PPS-SP).

"O tema da moradia no Brasil sempre esteve atrelado à dependência de políticas públicas que falharam no atendimento das necessidades da população de baixa renda", afirma o parlamentar.

Ele lembra que o Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01) criou uma série de instrumentos visando a alcançar o desenvolvimento urbano sustentável, sendo o principal deles o Plano Diretor cujos principais objetivos são o combate à especulação imobiliária e a regularização fundiária dos imóveis urbanos.

"Para que o problema habitacional brasileiro seja amenizado, juntamente com os instrumentos existentes, é necessário fazer um balanço dos prós e contras de modelos anteriormente implantados no Brasil e também analisar bons exemplos implementados em outros países", argumenta Manente.

O deputado lembra ainda que o antigo Banco Nacional de Habitação (BNH) – extinto em 1986 – foi criticado por construir conjuntos habitacionais sem qualidade urbanística e arquitetônica, apenas para resolver o problema em termos de quantidade. Essas críticas, segundo Alex Manente, são bastante semelhantes às do programa Minha Casa, Minha Vida criado cinquenta anos depois.

"Apesar dos esforços empreendidos nos últimos anos, atualmente são identificadas práticas que não contemplam as necessidades mínimas de moradia digna", conclui o parlamentar.

Após a instalação do novo colegiado serão eleitos seus dirigentes. A reunião será realizada no plenário 16 a partir das 9h30.

 

Decisão do STJ favorece consumidor no atraso da entrega de imóvel

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgou no dia 22 de maio os temas 970 e 971 que tratam, respectivamente, da possibilidade de cumular lucros cessantes com cláusula penal em atraso na entrega de imóvel e a possibilidade da inversão, em desfavor da construtora, da cláusula penal estipulada exclusivamente em face do consumidor.

A Segunda Seção entendeu, por maioria de votos, ser impossível a cumulação dos lucros cessantes com a cláusula penal. No entanto, julgou favoravelmente aos consumidores quanto à inversão da cláusula penal nos casos de inadimplemento contratual quanto ao atraso na entrega das obras.

A tese foi julgada em sede de Recursos Repetitivos e, desta forma, os demais tribunais deverão aplicar o entendimento nas ações que tramitam no judiciário.

Dessa forma, consumidores que antes deveriam manter o pagamento em dia, mesmo com o atraso na entrega dos imóveis, sob pena de ver aplicado contra eles a cláusula penal por descumprimento de obrigação contratual passam a ter uma relação jurídica equilibrada.

"Essa é uma grande vitória para os consumidores", enfatiza Sandra Lopes, sócia do Lopes e Castelo Sociedade de Advogados.

"A relação jurídica fica equilibrada entre as partes, e o consumidor, sujeito hipossuficiente na relação, não fica em desvantagem perante as construtoras. O acórdão ainda aguarda publicação, podendo ainda as partes oporem Embargos de Declaração, no entanto, dificilmente a tese sofrerá qualquer alteração significativa", conclui.

 

Com informações da Agência Câmara Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Prazo para convenções partidárias acaba hoje

Mais de 156,45 milhões de eleitores estão aptos a votar em outubro.

Senado aprova MP do teletrabalho

Negociação da jornada ocorrerá individualmente, entre o trabalhador e o empregador; texto segue para sanção presidencial.

Câmara aprova MP do teletrabalho; texto vai para o Senado

Matéria precisa ser votada até domingo; trabalhadores preferem continuar em home office para driblar altas do combustível.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.