26.4 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Derretendo

A proposta do presidente dos EUA, George Bush, de privatizar o sistema de seguridade social norte-americano – que pode reduzir em 78% o valor das aposentadorias – não esconde que, mais do que reduzir o suposto rombo na área, pretende canalizar centenas de bilhões de dólares para o mercado acionário. Dados do jornal quinzenal Solidariedade Latino-americana mostram que os norte-americanos estão fugindo de títulos e papéis em dólar: as compras de ações estrangeiras pularam de US$ 36,2 bilhões, em todo o ano de 2003, para US$ 51,9 bilhões apenas nos nove primeiros meses de 2004. Já as compras externas de títulos e ações norte-americanos caíram de US$ 43,9 bilhões em setembro deste ano para US$ 19,2 bilhões em outubro.

Lula decepciona
Apesar da maciça propaganda da imprensa chapa branca, as resistências ao governo Lula se ampliam, principalmente, nos setores com mais acesso a informações. Os dirigentes das seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), porém, sintetizaram em três palavras sua avaliação do desempenho dos dois primeiros anos do governo Lula e suas expectativas para 2005: surpresa, decepção, frustração. Em reunião promovida pelo Conselho Federal da OAB, os dirigentes da ordem consideraram que o governo prometeu muito, mas “acabou seguindo o modelo de administração voltado para atender o mercado financeiro internacional”: “As esperanças que moveram o povo nessa ampla revolução pelo voto não estão dando em nada”, resumiu o presidente da OAB do Espírito Santo, Agesandro da Costa Pereira, decano do grupo.

Carbono
O presidente da OAB do Acre, Adherbal Maximiano Corrêa, foi ainda mais contudente: “O governo de Luiz Inácio Lula da Silva é o papel carbono do governo de Fernando Henrique Cardoso; parece até que os dois pertencem ao mesmo partido. Se completam dois anos em que o Brasil experimentou o governo Lula e o país em nada progrediu. Nem mesmo o propalado crescimento da exportação de produtos brasileiros significa que tenha aumentado a prosperidade e o poder aquisitivo do povo, que tinha tanta esperança neste governo. Os métodos continuam os mesmos que tanto o próprio presidente Lula combateu quando era oposição. O erro maior desse governo é ter destruído a crença e a esperança do povo brasileiro, que ficou sem alternativas para melhorar de vida. Este governo é a cópia xerox do governo Fernando Henrique.”

Madrugada
A rede Renasce, que administra os shopping centers Anália Franco e MorumbiShopping, considera que a estratégia de abrir durante 32h entre os dias 23 e 24 foi um sucesso. Os centros comerciais registraram aumento nas vendas de cerca de 30% no dia 23, comparando com o mesmo dia de 2003. Na véspera do Natal o aumento nas vendas do Morumbi Shopping chegou a 95% e no Anália Franco a 65%. Os números incentivam a Renasce a projetar novas vendas na madrugada em 2005. Os comerciários que se cuidem.

Intoxicação
Doze em cada cem agricultores no Rio Grande do Sul já foram intoxicados por pesticidas e mais de um terço não faz uso de equipamentos de proteção individual, revela pesquisa divulgada pela agência de notícias Notisa. Dados do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas relativos a 2000 mostram que os pesticidas de uso agrícola foram responsáveis por 7% das intoxicações e 37% dos óbitos por intoxicações no Brasil. E as vendas dos produtos crescem no ritmo da expansão do agronegócio: entre 1997 e 2000 houve aumento médio de 18% nas vendas de agrotóxicos.

Escondido
A pesquisa, feita pela Universidade Federal de Pelotas, mostra que 95% das propriedades rurais usavam algum tipo de agrotóxico e 73% faziam uso regular e intensivo. Dois por cento dos agricultores entrevistados tiveram intoxicações num período de 12 meses e 12% relataram pelo menos um episódio de intoxicação ao longo da vida; 20% dessas intoxicações foram consideradas graves. Em 96% dos casos não foi feita a devida notificação às autoridades da área de saúde, o que mostra que o risco dos agrotóxicos é mascarado por dados que passam longe da realidade no campo.

De volta ao passado
Em 2002, a taxa média de desemprego aberto calculada pelo IBGE foi de 11,7% da população economicamente ativa (PEA). Em 2003, a média pulou para 12,3% da PEA. Até novembro de 2004 foi apurada uma taxa média de 11,7%. Ou seja, a mesma média apurada em 2002.

Artigo anteriorTeto
Próximo artigoNome e sobrenome
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.