Desafio da reabertura em SP é convencer consumidor a gastar

Para especialista, apesar de acertada, decisão de reabrir economia esbarra no receio do consumidor com o futuro.

São Paulo / 14:12 - 21 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Após mais de dois meses com as portas fechadas, o comércio de São Paulo vem retomando suas atividades, de forma gradual, desde o dia 1 º de junho. Com diversas restrições e recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Plano São Paulo foi divido em cinco níveis de abertura econômica. Cada região retoma as atividades em determinados setores, de acordo com a fase em que se encontra. Para a liberação, há alguns índices a serem levados em conta: média da taxa de ocupação de leitos de UTI; número de novas internações no mesmo período; número de óbitos.

Além da questão de segurança, os comerciantes enfrentam outro obstáculo nesse novo cenário: o de fazer com que o consumo retome. Segundo o advogado e economista Alessandro Azzoni, o país vive atualmente um superávit da caderneta de poupança, com registro de R$ 30 bilhões em abril e R$ 37 bilhões em maio, acumulando 67 bilhões (entre saques e depósitos). "Isso é um indicativo de que a população está poupando mais e com medo de gastar", avalia.

Ainda de acordo com ele, a economia tende a um estado de estagnação muito grande, com um cenário muito difícil até o fim do ano:

"Até dezembro teremos uma perda de PIB, empregos, retomada de atividades em oscilação. É um ano de sobrevivência para que se pague os custos de produção, para que em 2021 o crescimento e a estabilização econômica comecem a tomar forma".

Azzoni defende o modelo de reabertura heterogênea do Plano São Paulo, que é a forma mais prática de ter um parâmetro sobre o que é viável ou não nessa nova realidade, em sua visão. Admite que os pequenos podem enfrentar problemas para se adequar às normas de segurança e higiene, mas que devem estar atentos a isso para garantir o bem-estar de funcionários e clientes. Além disso, precisam se adequar às necessidades do consumidor, buscando novos nichos, reativando contatos e visando a fidelização.

Nesta terça-feira, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, decidiu deixar o cargo por problemas de saúde. Ele será substituído pelo médico infectologista Jean Gorinchteyn, dos hospitais Emilio Ribas e Albert Einstein.

Com problemas no coração e se recuperando em casa, Germann já não estava participando das coletivas realizadas diariamente no Palácio dos Bandeirantes há alguns dias. Ele estava no governo paulista desde o início do mandato de Doria, em janeiro de 2019.

 

Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor