“Desempoça”

Para autodidatas que acreditam que a crise global oferece a oportunidade ideal para um aprendizado intensivo em economês, o desafio vem da análise do ex-ministro da Fazenda Delfim Netto sobre a incorporação do Unibanco pelo Itaú: “A medida será importante também para acelerar o “desempoçamento de liquidez” no sistema interbancário que ocorreu depois do agravamento da crise internacional, a partir da declaração de concordata do Lehman Brothers em 14 de setembro.”

Tiro no pé
A proposta do ministro da Cultura, Juca Ferreira, de impor restrições ao uso da meia entrada em espetáculos culturais pode resultar num tiro no pé do próprio setor. Ao estiolar um dos principais instrumento de formação de platéias justamente num período de rápido avanço de novas formas de entretenimento tecnológico entre os jovens, a tendência é de perda da audiência agora e encolhimento no futuro. A não ser, claro, que, além de acreditar em gnomos, o ministro acredite em queda do preço dos ingressos com as restrições que defende à meia entrada.

Herança maldita
A distorção causada pelo uso atual das carteirinhas  não guarda relação com a forma de uso ou a frequência com que dela fazem os estudantes, mas pela ampla e irrestrita falsificação do documento e sua concessão para pessoas que não freqüentam bancos escolares. O problema teve origem na tentativa do então presidente FH de travar financeiramente UNE e Ubes, que faziam oposição a seu governo.

Privatizar o lucro
A fraude, porém, tornou-se tão generalizada que uma nova regulamentação faz-se urgente. No entanto, produtores culturais deveriam ter posições menos açodadas. Afinal, o outro lado da moeda nessa questão deve ser a imposição de limites ao valor dos ingressos de espetáculos beneficiados diretamente por dinheiro público ou, indiretamente, por renúncias fiscais. É inaceitável que espetáculos integralmente financiados com dinheiro público e, não raro, exibidos em espaços públicos, pratiquem preços incompatíveis com a renda da população que os financia. Quem não aceitar a imposição de limites ao valor do ingresso que financie as produções integralmente com dinheiro privado e sem abatimento do imposto de renda. Como diria Henrique Meirelles, é a lei de mercado.

Mais que acessório
Nesta, a campanha “Dá Licença, eu sou pai!” será lançada na sede da Fundação Carlos Chagas, em São Paulo. A iniciativa da Rede de Homens pela Equidade de Gênero tem como objetivo informar os homens sobre o direito à licença paternidade, estimular sua participação nos primeiros dias de nascimento do filho ou adoção, assim como solicitar a ampliação do benefício para pelo menos um mês.
Uma sondagem feita pelo Instituto Promundo com 247 entrevistados jovens (15 a 24 anos) residentes em comunidades de baixa renda do Rio de Janeiro (capital) demonstrou que há um grande desconhecimento dos direitos dos novos pais e mães trabalhadores: 83,4% não conhecem a licença paternidade. Daqueles que sabiam do direito, apenas 14,6% acertaram o numero de dias previsto na legislação.

Linha
Uma locomotiva diesel-elétrica quase 100% nacional – o índice de nacionalização permite sua compra via Finame – será apresentada pelo fabricante EIF Engenharia na feira Negócios nos Trilhos 2008, que começa nesta terça e termina quinta, em São Paulo (SP). Produzida na fábrica da empresa em Paulínia (SP), a máquina foi desenvolvida para a CSN. O negócio envolve três locomotivas.

Casa nova
A Cedae lançou fundo de investimento imobiliário, que terá a Caixa Econômica Federal como instituição gerenciadora, para captar recursos para a construção da sede administrativa da empresa estatal de saneamento do Rio de Janeiro em terreno próprio. O projeto faz parte do programa de modernização gerencial administrativa da empresa, que afirma que reduzirá custos, já que reunirá no novo prédio os serviços espalhados atualmente por cinco.

Artigo anteriorOnde está Wally?
Próximo artigoChoque de realidade
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.